DIÁRIO DE UM PROFESSOR

Dia 46 – Justificações

Passei um par de horas da tarde de ontem a justificar faltas dos alunos da minha direcção de turma e não deixei o trabalho feito, porque desisti ao ver que tinha ainda mais três com várias dezenas de ausências por justificar. E trata-se apenas do período de E@D e eu deixei de lado alguns alunos que pura e simplesmente desapareceram quase por completo do radar, sem justificação muito válida, mais outro que tem motivos técnicos (não resolvidos até agora) para não aparecer.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Passei um par de horas da tarde de ontem a justificar faltas dos alunos da minha direcção de turma e não deixei o trabalho feito, porque desisti ao ver que tinha ainda mais três com várias dezenas de ausências por justificar. E trata-se apenas do período de E@D e eu deixei de lado alguns alunos que pura e simplesmente desapareceram quase por completo do radar, sem justificação muito válida, mais outro que tem motivos técnicos (não resolvidos até agora) para não aparecer.

Se eu deveria ir justificando as faltas todas as semanas, para não se acumular trabalho? Pois, eu ainda comecei, mas depois percebi que no actual contexto há toda uma nova variedade de justificações aceitáveis, mesmo que dificilmente verificáveis. Às explicações tradicionais de faltas por motivos de ordem familiar, devido a atrasos nos transportes, a doenças, consultas, análises, testes, vacinas, tratamentos, etc, juntaram-se em contexto pandémico as de isolamento profilático e durante o ensino remoto as relacionadas com carência de equipamentos ou falhas técnicas diversas.

Mesmo que a assiduidade seja registada com alguma complacência, numa turma de 27 alunos, ficam umas boas centenas de faltas por verificar ao fim de algumas semanas. Com a agravante de a plataforma que o ministério anda a convencer as escolas a usar (E360), pelo menos na “estirpe” que eu utilizo, não estar a permitir fazer a chamada “justificação em massa” (quando um aluno ou alunos faltam às mesmas aulas, pelo mesmo motivo), como consegui ainda fazer no final do 1.º período. O que significa que se um aluno faltar uma semana por não ter computador disponível, mesmo com sessões síncronas a 50% das presenciais, é uma dezena de faltas por justificar. Agora imaginemos que estiveram vários assim durante cerca de três semanas. Nem quero pensar na minha colega, em cuja turma (também de 27 alunos) receberam equipamento, em diferentes momentos, 18 elementos. 

Justificação feita à unidade, com sucessivos menus de acesso e janelinhas a abrir para tudo e nada. Até se conseguir justificar uma falta é necessário passar por uma meia dúzia de passos, parte deles concebidos por quem tem muito pouca sensibilidade para as coisas da acessibilidade digital. Especialistas, portanto. É ridículo acedermos como directores de uma turma específica e só podermos justificar faltas dessa, mas depois, a cada vez que seleccionamos uma falta de um aluno, termos de confirmar que pertence à dita turma. O que poderia ser preenchido em checkboxes, surge em janelas que abrem apenas para um quarto das possibilidades, sendo que nenhuma contempla as principais causas em tempo de E@D. O resultado é justificar, assinalando que a falta se deveu a “outro factor impeditivo de presença na escola ou em actividades escolares”. 

Não se marcam faltas? Mas como é que depois se explica que não existam tarefas realizadas, se não foi assinalado que faltaram? Foi o professor que as não registou ou classificou? E como vai preencher a grelha de monitorização? E a de verificação de cumprimento das planificações? E a de coiso e tal? Será esta uma forma muito pouco produtiva de se usar o tempo dos professores?

* Por decisão do autor, o presente texto não segue o novo Acordo Ortográfico.

Paulo GuinoteProfessor do Ensino Básico, doutorado em História da Educação. Autor do blogue O Meu Quintal
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Justificações de faltas
Ana Martins
Boa tarde!

Também estou a trabalhar com o E360 e sou da opinião que a plataforma tem vários problemas e aspetos que deveriam ser melhorados.

Mas, por aqui, sempre conseguimos justificar faltas em massa (já é o 2º ano que utilizamos o E360) e as faltas "por justificar" passam a "injustificadas" 3 dias após a sua marcação, penso (o ano passado assim acontecia e este ano só recentemente, mas todas passaram).

Cumprimentos



25-03-2021
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.