DIÁRIO DE UM PROFESSOR

Dia 12 – Escrever

A escrita em dispositivos, com ou sem correcção automática, está a provocar uma erosão enorme no hábito de manuscrever seja o que for ou de o fazer com algum rigor, do uso das maiúsculas à própria pontuação, um pouco devido à velocidade com que tudo parece ter de ser produzido, transmitido e consumido.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Há exageros claros na forma como se procura replicar o ensino presencial no remoto, mas há práticas que gosto de manter, para que os alunos não percam algumas competências já de si em desuso. Uma das mais importantes é a escrita tradicional, com o belo do lápis ou a simpática da esferográfica no papel, nada de teclar ou mesmo de esperar que ao fim de duas ou três letras venham as sugestões automáticas preencher o discurso.

Manuscrever deveria ser considerada uma competência essencial. Não negociável em qualquer século, esteja ou não em “perfil” oficial, pareça ou não um resquício arcaico e para alguns até algo anacrónico. Até porque existem estudos sobre a importância do acto de escrever, tanto em termos de mobilidade fina como no plano cognitivo. Escrever à mão é um processo muito mais complexo do que copiar e colar o que está ali já pronto a usar. O processo mental é diferente e mais exigente em relação aos recursos intelectuais que mobiliza.

Por isso, por mais que pareça desajustado em tempos digitais e os alunos torçam o nariz porque lhes ocupa tempo e exige natural esforço, mantenho a rotina de na maioria das aulas, mais do que o sumário, fornecer uma síntese, coisa pequena, de um punhado de linhas ou tópicos, para servir de registo, mas principalmente para não ser perdido o hábito de escrever e, quando e se possível, caligrafar.

A escrita em dispositivos, com ou sem correcção automática, está a provocar uma erosão enorme no hábito de manuscrever seja o que for ou de o fazer com algum rigor, do uso das maiúsculas à própria pontuação, um pouco devido à velocidade com que tudo parece ter de ser produzido, transmitido e consumido.

“Ó professor, temos mesmo de passar isso?”

Claro que sim e espero que um dia percebam o bem que vos fez eu ser chato, em vez de constatarem a sua falta.

*Por decisão do autor, o presente texto não segue o novo Acordo Ortográfico.

Paulo GuinoteProfessor do Ensino Básico, doutorado em História da Educação. Autor do blogue O Meu Quintal
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.