PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO

COVID-19 | Dia 55 – Absentismo Remoto

A “telescola” é apenas um complemento? Daqui a poucas semanas, veremos até que ponto adianta andarmos nisto até finais de Junho.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Conheceram-se nos últimos dias os dados das audiências da “telescola” e constatou-se que foi necessária apenas uma semana para os valores iniciais descessem 50%. Apesar de toda a propaganda governamental sobre o imenso sucesso dos primeiros dias, da reacção muito dura a quaisquer críticas feitas às aulas à distância e ao elogio generalizado à “coragem” dos docentes que aceitaram o “desafio”, a evolução do desinteresse foi ainda mais rápida do que a reservada às aulas presenciais no arranque dos anos lectivos.

Pelos dados disponíveis para a semana iniciada a 27 de Abril de acordo com a GfK, em relação a período equivalente do ano anterior, a audiência da RTP Memória terá crescido um pouco menos de 140 000 espectadores. Mas a queda em relação à semana anterior (20 a 24 de Abril) foi de quase 170 000, pelo que o efeito da curiosidade inicial rapidamente se dissipou.

As razões para essa queda não são conhecidas em detalhe, mas para quem conhece como funciona o interesse dos alunos e teve o cuidado de assistir a um número razoável destas aulas remotas, pode imaginar algumas. Desde logo, aquele chavão acerca do desinteresse dos alunos em aulas pouco interactivas pode ser aplicado com maioria de razão a aulas à distância, em especial a partir do 2.º ciclo. Mesmo um professor apenas sofrível ao vivo é melhor do que dois (ou duas) muito saltitantes e animadas à distância. Não duvidem.

Por outro lado, por serem aulas destinadas a dois anos de escolaridade e com uma metodologia que, em algumas disciplinas, confunde falta de coesão com “inovação”, os alunos não conseguem encontrar “âncoras” para se fixarem e têm dificuldade em seguir uma linha de rumo em escassos 30 minutos. Aliás, se há algo que esta “experiência” tem demonstrado é que muitas ideias feitas sobre o que deve ser a Educação do século XXI talvez mereçam alguma revisão, bastando para isso inquirir os alunos sem uma agenda prévia com motivações políticas ou de facção académica. Os miúdos até podem achar “graça” às aulas, mas isso é muito diferente de estarem a ser motivados para qualquer aprendizagem. E eles percebem quando há um investimento original ou quando a regra é carregar no botão e passar dois terços do tempo a ver um recurso de uma plataforma de editora, que nem sequer é devidamente explorado em todas as suas potencialidades didácticas. Não há tempo para mais? Depende de como o usamos.

E depois há o problema do absentismo que, sem qualquer controlo efectivo de proximidade, fica em roda livre. A “telescola” é apenas um complemento? Daqui a poucas semanas, veremos até que ponto adianta andarmos nisto até finais de Junho.

*Por decisão do autor, o presente texto não segue o novo Acordo Ortográfico.
 

Paulo GuinoteProfessor do Ensino Básico, doutorado em História da Educação. Autor do blogue O Meu Quintal
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.