A PALAVRA A...

O lugar da escola na educação para a cidadania

A crise de representação e o individualismo são uma tendência generalizada.  Cabe à escola ser um espaço privilegiado de discussão e formador de uma cidadania ativa, crítica e atenta aos problemas e desafios do seu tempo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Num cartaz, recente, cuja fotografia circulou nas redes sociais, podia ler-se num “português açucarado” a seguinte fábula política:

"A formiga com raiva da barata, votou no inseticida. E todo mundo morreu. Inclusive o grilo que se absteve do voto."

É óbvia a crítica implícita a uma indiferença, discriminação e preconceito que matam indiscriminadamente, mais a falta de empenhamento dos cidadãos que permitem e consentem esse desfecho.

A cidadania e as questões a si associadas vêm ocupando a ordem do dia e estão presentes nos media e na agenda política e educativa, granjeando até dimensão e espaço curricular. Porém, como se carateriza a cidadania do século XXI e qual o papel e responsabilidade da escola para a sua formação?

É impossível não nos lembrarmos de Malala Yousafzai, ativista paquistanesa vítima de um ataque e baleada na cabeça ou da morte da vereadora Marielle Franco. Ambas as situações enfatizam os riscos e a necessidade de uma cidadania empenhada e comprometida com os valores democráticos. Porém, continuam elevadas as taxas de abstenção, crescem os extremismos e o populismo e a internet que contribuiu para as mobilizações da Primavera Árabe e divulgou o cartaz criticando o status quo atual é a mesma que serve de veículo transmissor de fake news e vicia argumentações com os seus algoritmos tendenciosos.

A crise de representação e o individualismo são uma tendência generalizada.  Cabe à escola ser um espaço privilegiado de discussão e formador de uma cidadania ativa, crítica e atenta aos problemas e desafios do seu tempo.

Orientar para o reconhecimento e reflexão de um perigoso relativismo moral reinante e de uma visão egocêntrica e comodista dos valores pouco comprometida com o outro. No respeito deste, unicamente, quando isso é sinónimo de concordância com as suas posições e opções.

A construção de uma sociedade inclusiva, combatendo os desequilíbrios, proporcionado igualdade de oportunidades, empenhada na abertura ao outro e respeitadora da diferença continua a ser uma necessidade, senão uma urgência.

Uma educação para a cidadania deverá fomentar o pensamento crítico, a pluralidade e o empenhamento do cidadão com o bem estar coletivo, alertando para os perigos de um olhar preconceituoso e de fechamento ao outro.

A escola é o local privilegiado para o aprender. Não o fazer, esvaziando a oportunidade atual de interesse, cedendo à ditadura dos rankings é desvirtuar a sua função ancestral: ensinar.
Carlos Alves
Professor e investigador (IPRI | Observatório Político)

Responsável pelo Fórum Intervenção| Fórum permanente de discussão e reflexão política para a promoção da Cidadania Ativan
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.