PEDIATRIA

O meu bebé tem hidronefrose. O que significa?

O termo hidronefrose refere-se à dilatação de uma estrutura do rim chamada bacinete. Esta é constituída por uma série de estruturas em forma de cálice que recolhem a urina produzida no rim e a encaminham através de um canal, o uréter, até à bexiga.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A hidronefrose renal ocorre em cerca de 5% das ecografias pré-natais. É mais frequente no sexo masculino e atinge os dois rins em cerca de metade dos casos.

Porque ocorre?
Na maioria dos casos a hidronefrose é ligeira (pequena dilatação do bacinete) e não tem uma causa subjacente. É uma situação benigna, transitória e que se resolve espontaneamente ao longo do tempo, sem ser necessário qualquer tipo de intervenção.
As situações de hidronefrose mais grave (maior dilatação do bacinete) ou associadas a outras alterações do trato génito-urinário podem dever-se a algumas doenças do rim. Estas incluem alterações que causam algum tipo de obstrução das vias urinárias, impedindo o fluxo de urina, ou que causam o refluxo de urina da bexiga para as vias urinárias superiores. Nestes casos, a hidronefrose é mais marcada e pode associar-se à dilatação do uréter, designando-se por uretero-hidronefrose.

Qual a conduta perante suspeita de hidronefrose?
Perante suspeita de hidronefrose nas ecografias pré-natais, o recém-nascido será encaminhado para a realização de uma ecografia após o nascimento, que confirmará ou não a existência de hidronefrose, e consequentemente a sua gravidade.

Quais são os riscos?

O risco mais temido da hidronefrose são as infeções urinárias recorrentes, que podem provocar lesões renais e levar a insuficiência renal e hipertensão arterial.
Para as formas ligeiras de hidronefrose, o risco de deterioração da função renal a longo prazo é igual ao da população em geral.
Para as formas mais graves, o risco de algum tipo de lesão renal é mais incerto. Por isso, é necessária uma abordagem diferente, com vigilância mais atenta e seguimento em consulta externa. Pode, eventualmente, ser necessário outro tipo de exame complementar, com vista a esclarecer a causa da hidronefrose.
   
O que devo fazer?
É importante compreender que a maioria dos casos de hidronefrose detetados na ecografia pré-natal não tem qualquer significado clínico, ou seja, não é uma doença. É importante não criar ansiedade excessiva.
Assim, é importante vigiar o seu bebé. O risco temido, como já referido, é o de desenvolver uma infeção urinária. Esta, se diagnosticada e tratada atempadamente, tem um bom prognóstico e a probabilidade de causar lesão renal é pequena. Assim, perante febre, irritabilidade, vómitos ou urina com cheiro fétido, deve suspeitar de uma infeção urinária e procurar o seu médico assistente.

Quando procurar assistência médica?
Após o nascimento do seu bebé deve mostrar as ecografias pré-natais ao pediatra que o assiste. Este irá orientar a necessidade e o momento de repetir a ecografia.
Perante um dos sinais acima mencionados, deve procurar o seu médico assistente, de forma a fazer o diagnóstico da infeção e iniciar rapidamente o seu tratamento.

Vera Baptista, com a colaboração de Liliana Pinheiro, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.