PEDIATRIA

Aftas

As aftas correspondem a úlceras que podem aparecer em qualquer região da mucosa oral. Quando surgem de forma recorrente são designadas de estomatite aftosa recorrente (EAR). Afeta até cerca de 20% da população num dado momento, sendo a patologia mais comum da mucosa oral.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Que tipo de sintomas dão as aftas?
A queixa principal é dor, a qual pode ser agravada por alimentos quentes, salgados, picantes ou ácidos. Desse modo, pode haver dificuldade em comer ou beber. Dependendo da localização, a fala também pode ser afetada. A severidade e frequência da EAR tende a diminuir com a idade.

Que tipo de aftas existem?
A EAR classifica-se em três formas principais:
- EAR menor
É a mais comum (cerca de 80% dos casos) e caracteriza-se por pequenas ulcerações definidas (normalmente com menos de 1 cm de diâmetro), arredondadas, que são dolorosas e cicatrizam em 10 a 14 dias. Por vezes existem cerca de 1 a 5 aftas simultaneamente. Curam sem deixar cicatriz.
- EAR maior
Constituem cerca de 10-15% dos casos. As lesões são maiores (tipicamente maiores do que 1 cm de diâmetro), ocorrem isoladamente ou 2-3 simultâneas. Podem durar até 3 meses e frequentemente deixam cicatriz.
- EAR herpetiforme
Apesar do nome, não são causadas pelo vírus herpes. É o tipo menos comum (5-10% dos casos). São múltiplas úlceras pequenas (1-2 mm de diâmetro) que podem coalescer e dar origem a úlceras grandes. Tendem a ocorrer debaixo e nas curvas da língua. Curam em cerca de 2 semanas sem deixar cicatriz.

Qual a causa das aftas?
A sua causa permanece incerta. No entanto, a evidência sugere que a etiologia é multifatorial, podendo estar associados fatores de origem local, como o traumatismo, ou sistémicos, como as infeções e as doenças imuno-hematológicas.

O problema das aftas é hereditário?

Não existe hereditariedade definida, mas aproximadamente 50% das pessoas que sofrem de aftas têm um familiar próximo com o mesmo problema.

Podem estar associadas a outras doenças?
Na maioria das vezes, não existe associação com outras doenças. No entanto, as aftas podem representar manifestação de doença dermatológica, sistémica, lesões reacionais ou neoplasias ocultas. Entre elas estão: doença de Behçet, síndrome FAPA (febre, aftose, faringite e adenite), síndroma Sweet, neutropenia cíclica, ulceração aftosa-like da SIDA, deficiências hemáticas, doença celíaca, doença inflamatória intestinal e síndroma de Reiter, entre outras.

Que medidas gerais se podem tomar quando se tem aftas?
•    Evitar comidas picantes, salgadas (ex. batatas fritas) ou bebidas de fruta ácidas;
•    Usar uma palhinha para beber, de forma a evitar que os líquidos toquem nas úlceras;
•    Usar uma escova de dentes suave.

Que tratamento se pode fazer?

Normalmente a dor é ligeira, particularmente com o tipo menor. Quando assim é, a afta resolve espontaneamente, sem necessidade de qualquer tratamento.
O tratamento tem como objetivo aliviar o desconforto, prevenir ou reduzir a infeção secundária e ajudar a cicatrização. Não há tratamento preventivo de recorrência de aftas.

- Corticoide tópico: é o tratamento principal e é eficaz na maioria dos doentes. Estão disponíveis como soluções para bochechar, sprays ou pequenos comprimidos solúveis (ex. hidrocortisona, clobetasol, triancinolona).
- Anestésicos: particularmente úteis se usados antes das refeições. Estão disponíveis como soluções para bochechar, sprays ou pastilhas para a garganta sem açúcar (ex. benzidamina).
- Antissépticos sem álcool: podem estar recomendados para reduzir alguma infeção secundária e maximizar a higiene oral. Estão disponíveis como soluções para bochechar, sprays ou gel (ex. cloro-hexidina).
- Barreiras mecânicas: formam uma barreira mecânica que protege de infeção secundária e irritação mecânica. Estão disponíveis como pastas e comprimidos solúveis para aplicação nas úlceras.

Quando procurar ajuda?
Quando uma úlcera isolada persiste por um período superior a 3 semanas, apesar do tratamento, deve ir ao médico assistente para avaliar a necessidade de referenciar para especialista e, eventualmente, analisar a lesão. O mesmo procedimento deve ser feito quando as aftas surgem associadas a outros sinais ou sintomas como: lesões genitais, má progressão ponderal na criança pequena e história familiar de infeções intestinais.

Mariana Portela Reis, com a colaboração de Ariana Afonso, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga.
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.