PSICOLOGIA

Computador: inimigo insuspeito!

Acompanhei duas situações em que o uso compulsivo do computador levou dois alunos do 3.º ciclo a faltarem às aulas sem os pais se aperceberem. Num dos casos, a mãe expressou mesmo medo de que o filho a agredisse fisicamente quando tentava forçar a sua saída do computador. Este mesmo adolescente acabou por descuidar a sua higiene pessoal, porque esta atividade lhe roubava tempo em frente ao ecrã.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Só no final deste ano letivo me apercebi realmente da gravidade e da extensão do problema. Nos atendimentos realizados no âmbito da Orientação Escolar e Profissional (e não só), vários pais foram verbalizando a sua preocupação relativamente ao tempo excessivo que os filhos passam em frente ao computador. Existiram mesmo encaminhamentos para o Serviço de Psicologia e Orientação, cujo pedido se relacionava com o computador e o seu uso excessivo. O que mais preocupa os pais, na maioria dos casos, prende-se com o facto de os filhos não quererem fazer mais nada para além de estar no computador. Qualquer sugestão sua para que eles saiam de casa é percecionada como negativa e quando, finalmente, os conseguem arrancar do conforto do lar, têm por companhia jovens trombudos, contrariados e sempre a perguntar: “Quando vamos para casa?”. Estes não foram os casos mais graves. Acompanhei duas situações em que o uso compulsivo do computador levou dois alunos do 3.º ciclo a faltarem às aulas sem os pais se aperceberem. Num dos casos, a mãe expressou mesmo medo de que o filho a agredisse fisicamente quando tentava forçar a sua saída do computador. Este mesmo adolescente acabou por descuidar a sua higiene pessoal, porque esta atividade lhe roubava tempo em frente ao ecrã.

O isolamento social é outro problema grave associado ao uso excessivo do computador, dado que a interação presencial com os outros promove o desenvolvimento de sentimentos de identidade, pertença e de autoavaliação, que são indispensáveis para o equilíbrio psíquico e emocional. A diminuição da interação social pode prejudicar o desenvolvimento de uma auto-imagem positiva e provocar angústias e tensões que se irão refletir negativamente no funcionamento fisiológico do organismo. A mãe de uma das adolescentes que atendi referia, na presença da filha, que esta andava ansiosa, o que não acontecia no passado. Na busca dos motivos justificativos da ansiedade, mãe e filha chegaram ao computador e ao facto de esta adolescente passar horas a fio em frente deste, não conseguindo desfrutar de outras atividades que anteriormente lhe davam prazer. O tempo de sono é também gravemente prejudicado, dado que o computador é muito mais aliciante que a cama.

Atualmente já se fala na dependência do computador e nos riscos a ela associados. Independentemente de o seu filho estar ou não viciado, é fundamental perceber que o risco existe e que a prevenção deve sempre prevalecer. O sentimento de tranquilidade que resulta da premissa “Estão em casa e por isso estão seguros.” deve ser substituído pela questão: “O que passam eles os dias a fazer quando estão em casa?”. Se a resposta for “A jogar no computador.”, então teremos de acionar mentalmente a luz amarela e assumir que, afinal, a segurança, nestas circunstâncias, é relativa.

Se o computador se tornou o centro da vida da criança/jovem/adolescente, então a intervenção dos pais é fundamental. A estes cabe a difícil e desgastante tarefa de impor limites, de dizer “Chega!”, com convicção e autoridade. Se os filhos estão muito tempo sós em casa, terão de ser encontrados mecanismos que impeçam que estes passem o dia em frente ao ecrã. O computador deve ser colocado num local da casa que seja um ponto de passagem de adultos, sendo de evitar o quarto. Os pais podem também ajudar os filhos a procurar atividades alternativas, ajustadas à sua personalidade.

Espero que este artigo o tenha deixado um pouco intranquilo, pois isso significa que ele cumpriu o seu objetivo.

Aceda aqui a algumas imagens alusivas a este assunto:
http://belverede.blogspot.pt/2014/01/fissura-por-internet-charge-de-randy.html
http://digartmedia.wordpress.com/2012/03/01/a-internet-e-o-seu-impacto-nas-relacoes-interpessoais/
Adriana CamposLicenciada em Psicologia pela Universidade do Porto, na área da Consulta Psicológica de Jovens e Adultos e mestre em Psicologia Escolar. Detentora da especialidade em Psicologia da Educação e das especialidades avançadas em Necessidades Educativas Especiais e Psicologia Vocacional e de Desenvolvimento da Carreira atribuída pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. Atualmente desenvolve a sua atividade profissional no Agrupamento de Escolas do padrão da Légua em Matosinhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Bons artigos
Maribel Maia
Parabéns pelos bons artigos que escrevem!

Maribel Maia
http://educarcomvida.blogs.sapo.pt/
05-03-2015
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.