NUTRIÇÃO

Farinha de pau

Rica em hidratos de carbono complexos, é também um bom fornecedor de fibras alimentares. Fornece ferro, cálcio, zinco, magnésio e também potássio, importante para combater a hipertensão arterial. Não contém glúten, o que a torna num alimento aconselhado a doentes celíacos, nem colesterol, sendo por isso um alimento preventivo dos acidentes cardiovasculares.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Muitos se recordarão, uns com a nostalgia da infância, outros com memórias menos agradáveis da mesma, da farinha de pau que nos davam a comer quando éramos crianças. Para outros, a farinha de pau, cujo nome parece provir da semelhança com a raiz da mandioca, é totalmente desconhecida, uma vez que é um alimento importado, sobretudo do Brasil.

A farinha de pau ou de mandioca é feita pelo cozimento, secagem e moagem da raiz de mandioca e, apesar de importada, devido à sua alta rendibilidade na cozinha revela-se um alimento muito barato e muito rápido de preparar. Por isso, a evoco hoje aqui. Um saco de 500 g custa menos de 2 euros, e 50 g chegam para uma pessoa, o que significa um custo de 20 cêntimos per capita.

Lembro-me bem do sabor da farinha de pau de pescada que a minha e outras mães faziam, de aspeto acinzentado e sabor estranho e indefinido e também me lembro que, embora não gostasse muito, também não desgostava. Mas um dia, comi-a preparada com um arroz de feijão a acompanhar umas febrinhas de porco grelhadas, e passei a gostar muito e a fazê-la com alguma frequência e de várias maneiras. Antes de sugerir uma receita, vou falar das suas propriedades nutricionais, uma vez que a alimentação tem, como fim primeiro, a nutrição e não apenas a saciedade.

Rica em hidratos de carbono complexos devido ao seu alto teor em amido, é também um bom fornecedor de fibras alimentares. Fornece ferro, cálcio, zinco, magnésio e também potássio, importante para combater a hipertensão arterial. Não contém glúten, o que a torna num alimento aconselhado a doentes celíacos, nem colesterol, sendo por isso um alimento preventivo dos acidentes cardiovasculares.

Culinária
Pode ser confecionada de várias maneiras, entre as quais se inclui a famosa farofa servida nos restaurantes brasileiros a acompanhar a picanha. No entanto, uma vez que não leva água e é frita em gordura, tem um valor calórico muito mais elevado e, portanto, "engorda mais".

Feita com água e com outros ingredientes, 40 g de farinha chegam bem para uma pessoa e o seu valor calórico é de cerca de 140 calorias, o equivalente a uma chávena almoçadeira de arroz ou 2 batatas pequenas. Há ainda quem a coza em água e, depois de a transformar em pequenas bolas, as frite mas, obviamente, este prato já sai dos cânones da alimentação saudável e só deve consumir-se pontualmente tal como quaisquer outros fritos.

Ficam aqui algumas sugestões de receitas com este ingrediente tão versátil, que permite cozinhar em muitos poucos minutos uma refeição nutritiva, equilibrada, barata e... muito rápida!

Fonte: Peso, Uma questão de peso
Fonte: Peso, Uma questão de peso

Pode fazer inúmeras receitas inspirando-se no quadro seguinte, ou aproveitá-lo para acrescentar ou recombinar ingredientes utilizando a base de preparação da receita original.

Nota: Se usar, carne, peixe, marisco, leguminosas ou uma quantidade generosa de cogumelos, constitui um prato completo. Se for feita apenas com hortícolas, servirá como acompanhamento de carne ou peixe, sendo a primeira versão bastante mais económica e, como tal, uma boa opção para quem está a passar por dificuldades económicas.

Um conselho em jeito de segredo: se sabe que alguém da família não gosta ou acha que não gosta de farinha de pau, no dia em que a fizer diga que está a experimentar uma receita brasileira muito famosa: pirão! E acrescente-lhe o ingrediente que vai usar: pirão de camarão, de peixe ou de cogumelos...
Paula VelosoNutricionista e autora de Dietas sem DietaDieta sem Castigo e Peso, uma questão de peso.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.