PEDIATRIA

Sinovite Transitória da Anca

A sinovite transitória da anca é uma patologia benigna e autolimitada que se caracteriza por uma inflamação da membrana sinovial que reveste a articulação da anca. É uma das causas mais comuns de dor na anca em idade pediátrica.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

O que é?
A sinovite transitória da anca é uma patologia benigna e autolimitada que se caracteriza por uma inflamação da membrana sinovial que reveste a articulação da anca. É uma das causas mais comuns de dor na anca em idade pediátrica. Afeta crianças entre 2 e 12 anos de idade, com um pico entre os 3 e os 8 anos, e é mais frequente no sexo masculino. O início pode ser súbito ou insidioso, geralmente unilateral, sendo os sintomas mais frequentes a dor ligeira a moderada da anca, com limitação de movimento, particularmente na rotação interna, a dificuldade na marcha, a claudicação (“mancar”), ou a incapacidade de andar em casos mais graves. Pode também apresentar-se com febre baixa e irritabilidade ligeira em algumas crianças. Na maioria dos casos, a criança apresenta bom estado geral. É geralmente precedida de uma infeção viral (respiratória ou gastrointestinal).

Quais são as causas?
A etiologia da sinovite transitória da anca não é clara, mas verifica-se frequentemente uma história de infeção viral cerca de 2 a 3 semanas antes.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico desta patologia requer uma avaliação clínica por um pediatra ou ortopedista infantil, uma vez que é importante excluir outras patologias como artrite séptica, osteomielite ou doença de Legg-Calvé-Perthes. Geralmente a história clínica e o exame físico são suficientes para fazer o diagnostico de sinovite transitória da anca. É importante avaliar se a criança é capaz de caminhar para excluir artrite sética. Na artrite sética a criança não tem capacidade de marcha, está habitualmente prostrada e não tolera qualquer movimento da anca. A ecografia é importante para diferenciar as duas patologias. Na sinovite transitória a dor é devida ao aumento da pressão hidrostática provocada pelo líquido sinovial. Na artrite sética quando há líquido intra-articular, não se trata de líquido sinovial, mas pús, o que compromete o futuro da articulação. Portanto, se houver líquido e a criança claudicar, trata-se de sinovite transitória da anca, embora também possa ser a fase inicial de uma patologia da cabeça do fémur denominada doença de Legg-Calvé-Perthes. Podem ser necessárias análises de sangue e radiografia da anca para confirmar ou excluir outros diagnósticos.

Qual é o tratamento?
O tratamento visa eliminar a sinovite inflamatória subjacente e inclui medicamentos anti-inflamatórios (geralmente 3 a 5 dias). A dor geralmente melhora em 3 dias. Por ser transitória, a sua resolução é completa, ocorrendo na maioria das vezes até duas semanas (a duração média é de 10 dias).

Qual o prognóstico?
A sinovite transitória da anca tem um excelente prognóstico. O resultado é favorável, sem consequências a longo prazo. A recorrência é incomum, no entanto, em alguns casos, verificam-se crises repetidas com as mesmas características, ao longo do intervalo de idades anteriormente referido. Sempre que há uma repetição, a criança deve ser vigiada, pois pode ser a fase inicial da doença de Legg-Calvé-Perthes.

Cristina Rodrigues, interna em formação específica de Pediatria do Hospital de Braga, com a colaboração do Dr. Eduardo Almeida, Ortopedista Infantil do Centro Hospitalar Universitário do Porto

Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.