PEDIATRIA

O meu filho tem enxaqueca! E agora?

As cefaleias, mais conhecidas como as "dores de cabeça", são uma queixa bastante frequente em idade pediátrica, tratando-se de uma das principais causas de absentismo escolar! Entre os diferentes tipos de cefaleias encontra-se a enxaqueca que, frequentemente se inicia em idade pediátrica.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

O que é a enxaqueca?
Falamos de enxaqueca para definir um episódio de dor ou mal-estar referido à cabeça, que pode ser uni ou bilateral, de intensidade variável, que é agravada pelo movimento e que pode durar entre 1 a 72 horas.
A enxaqueca pode surgir associada a náusea, vómitos, fono e fotofobia (agravada pelo som e pela luz, respectivamente) e um desejo intenso na procura de um lugar calmo e escuro para descansar. Esta, por vezes, pode ser precedida ou acompanhada de aura (sinais ou sintomas neurológicos que "avisam" que a cefaleia vai aparecer), que dura normalmente 15 a 30 minutos.
A aura visual é a mais comum e consiste em manchas negras, luzes ou riscas que podem afectar um ou ambos campos visuais. A existência de outros tipos de aura como hemiparésia (diminuição da força em metade do corpo), cegueira unilateral, vertigem ou confusão deve motivar a observação por Pediatra. Da mesma forma, no primeiro episódio de cefaleia com aura a criança deve ser observada de modo a excluir patologias mais graves.

Existem factores que podem despoletar a enxaqueca?
Sim, existem alguns factores precipitantes já identificados, entre os quais se incluem o stress, a ansiedade, depressão, alterações no padrão de sono e das refeições, luzes e ruídos intensos, alguns alimentos e bebidas, excesso de exposição solar, excesso de atividade física, entre outros.

Como proceder perante uma enxaqueca?
O tratamento da enxaqueca consiste, numa fase inicial, na educação da criança e da família de modo a que estes sejam capazes de identificar e posteriormente evitar possíveis factores precipitantes. Entre outras medidas incluem-se a criação de hábitos de sono regulares, horário de refeições e alimentação adequada, hidratação adequada (especialmente em dias de maior calor), a prática desportiva e a evicção de situações de stress.
Em termos farmacológicos, os analgésicos (paracetamol e ibuprofeno) são a primeira linha e devem ser dados logo no início da dor e nas doses corretas, isto é, ajustadas ao peso da criança.
Durante a crise, deve ser procurado um local silencioso, com pouca luz e que permita o sono, uma vez que, nas crianças mais pequenas, o sono pode ser suficiente para reverter a enxaqueca.
O tratamento profilático, de forma a diminuir o número e intensidade dos episódios, está indicado nalguns casos e exige seguimento regular em consulta.

Qual o prognóstico?
A enxaqueca, como qualquer doença crónica, pode persistir até à idade adulta, contudo, nos rapazes adolescentes, as crises tendem a diminuir (ou até mesmo desaparecer), ao contrário do que normalmente acontece nas raparigas, nas quais, devido às alterações hormonais, pode haver um aumento da frequência.

André Morais, com a colaboração de Liliana Abreu, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga

Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.