EDUCAÇÃO

Na rua com histórias

Com histórias, estamos bem. Na rua, em casa, sozinhos, acompanhados. A ouvir, a contar, a ler, a escrever, e sempre, sempre, a sentir e a partilhar.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir


Pandemia deixou de ser, para nós, uma palavra distante; entrou pelas nossas vidas sem convite e não nos deixa adivinhar a data da sua partida. Consigo não trouxe só doença. Trouxe medo, sofrimento, perda, solidão. Os setores da população mais expostos a estes males ficaram mais visíveis. Um desses setores: os idosos. Vulneráveis pela menor capacidade de defesa ao vírus; vulneráveis pelo agravado peso da solidão. Outro setor em que estas vulnerabilidades se intensificam, acrescentadas da (ainda maior) marginalização e exclusão de que são alvo, é o das pessoas em situação de sem abrigo.

“NA RUA COM HISTÓRIAS - UMA BIBLIOTECA PARA TODOS" 

É um projeto que leva as histórias aos excluídos e valoriza as suas histórias. Com as diversas vertentes de que se compõe, a solidão perde espaço. Do seu site, retirarei várias transcrições para melhor o dar a conhecer. Surgido em 2016, nasceu com a missão de “combater a solidão e a iliteracia, através da leitura, da empatia, e dos laços humanos que nascem através das histórias, chegando a quem se sente isolado por viver em situação de sem-abrigo ou numa casa, apesar de se encontrar no centro da cidade de Lisboa”. Elsa Serra, a “mãe” deste projeto, aliou o seu gosto pelas histórias à compreensão vivida da importância que elas têm para ajudar a ultrapassar o problema do isolamento. Neste projeto, acredita-se “no poder transformador da leitura e da sua partilha”.

Um tuk-tuk elétrico, estreito como são os tuk-tuk, torna-se hábil e potente para se encolher pelas ruas estreitas de Lisboa e para trepar pelas suas ladeiras, chegando aos sítios mais remotos e esquecidos.

“Na rua com histórias” leva as histórias à rua ou às casas através de quatro componentes principais:

A BIBLOTECA ITINERANTE 

Ao longo da semana, com horários e locais fixos, o tuk-tuk abre-se nas ruas dos bairros históricos de Alfama, Graça e Mouraria, transformando-se numa biblioteca com prateleiras recheadas de livros. Em seu torno, num ápice surge um espaço acolhedor, em que as cadeiras e bancos rapidamente dispostos junto do tuk-tuk colorido e o sorriso rasgado da Elsa e das suas companheiras chamam pessoas que se sentam a ouvir as histórias que elas contam ou a requisitar livros, revistas ou jornais.

LER DOCE LER

Esta atividade destina-se a pessoas que vivem sozinhas, preferencialmente idosas ou com problemas de mobilidade, que se inscrevem previamente. Semanalmente, voluntários visitam essas pessoas levando-lhes leituras em voz alta, escuta ativa das suas histórias, conversa interessada e vontade de criar laços de confiança e afeto.

HISTÓRIAS QUE SOMOS 

No contexto de partilha e de desenvolvimento de laços de afeto e de confiança na vertente “Ler doce ler” do projeto, acontece as histórias das pessoas saltarem da solidão em que se encontram. E surge esta outra dimensão: “Histórias que somos”. Os voluntários recolhem essas histórias, “testemunhos reais de pessoas que cresceram e ainda vivem nesses bairros”, porque “são as pessoas que os habitam que lhes dão matéria e sentido”, lhes dão a sua “identidade e cultura popular” únicas e o seu “património tão rico em tradições, expressões, hábitos e estórias”. Este património imaterial está recolhido num Museu Virtual.

BIBLIOTECA INCLUSIVA 

O tuk-tuk colorido tem, ainda, um ponto de paragem semanal, com local e horário específicos, para as pessoas em situação de sem abrigo, para que possam requisitar livros, periódicos e outras publicações. A biblioteca itinerante “Na Rua com Histórias - Uma biblioteca para Todos” associa-se, nesta sua atividade, à Associação Conversa Amiga, para um trabalho de parceria no combate à solidão e na promoção da inclusão social. Em parceria com a Congregação das Irmãs Oblatas, o tuk-tuk colorido, com os mesmos objetivos, leva também a biblioteca inclusiva até mulheres que exercem a prostituição. E dos encontros da biblioteca inclusiva com estes setores da população tão excluídos e desrespeitados, não há partilhas apenas das histórias dos livros; devolve-se dignidade, partilham-se histórias de vida, criam-se laços.

Este projeto vive do apoio de muitos parceiros e do trabalho dos voluntários que nele participam e está aberto à entrada de novos voluntários. Vale a pena a visita ao site da biblioteca itinerante “Na Rua com Histórias - Uma biblioteca para Todos”.

Era uma vez um projeto que nasceu há sete anos. Foi crescendo, alegre e saudável, até que a pandemia obrigou o tuk-tuk colorido, os responsáveis, os colaboradores e os utentes do projeto a um confinamento triste, mas em que todos se mantêm ligados pelas memórias e pelos afetos. As histórias querem continuar a percorrer as ruas estreitas e íngremes dos bairros de Lisboa no tuk-tuk colorido; querem continuar a ser contadas, ouvidas, partilhadas, recolhidas. Querem continuar a espalhar afeto, a diminuir solidão, a criar inclusão. Estou certa de que o tuk-tuk estará a pensar em formas de alargar ainda mais a sua partilha de leituras e de afetos; de chegar a um número cada vez maior de pessoas excluídas da/pela sociedade e de promover a sua inclusão. E será uma vez um dia em que a covid deixará de ser a doença pandémica e brutal que é hoje.

E, nesse dia - ou muito antes mesmo -, o tuk-tuk voltará às ruas, espalhando magia.

Armanda ZenhasProfessora aposentada. Doutora em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Mestre em Educação, área de especialização em Formação Psicológica de Professores, pela Universidade do Minho. Autora de livros na área da educação.
Professora profissionalizada nos grupos 220 e 330. Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, nas variantes de Estudos Portugueses e Ingleses e de Estudos Ingleses e Alemães, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Professora profissionalizada do 1.º ciclo, pela Escola do Magistério Primário do Porto.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.