PEDIATRIA

Urticária Aguda

A urticária e o angioedema são frequentemente vistos como uma doença cutânea. No entanto, devem ser considerados, mais corretamente, como uma manifestação de um amplo grupo de doenças.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Definição
A urticária é caracterizada pelo aparecimento súbito de pápulas, angioedema ou ambos.

A pápula é uma reação cutânea fugaz caracterizada pelo aparecimento de pápulas de vários tamanhos. Cada lesão pode aparecer numa parte do corpo ou em várias e desaparece em menos de 24h sem deixar sequelas. Pode voltar a aparecer nas horas ou dias seguintes (podendo ter uma duração total até 6 semanas). Habitualmente tem comichão associada.

O angioedema caracteriza-se por lesões edematosas, geralmente com sensação de queimadura ou dor e associadas a menos comichão. Atinge principalmente face, genitais, mãos e pés. As lesões regridem habitualmente em menos de 72h, não deixando lesões residuais.

Frequência
Estima-se que a urticária aguda possa afetar cerca de 15 a 20% da população em algum momento da sua vida.

É muito frequente nos primeiros anos de vida, atingindo cerca de 6 a 7% das crianças com menos de 6 anos. Esta percentagem é ainda mais elevada em crianças com dermatite atópica, cerca de 17%.

Causas
As causas são muito variáveis.

Os vírus são a causa mais comum em idade pediátrica, correspondendo a mais de metade dos casos. A prevalência diminui com a idade.

Os alimentos são também causa frequente, podendo causar urticária por ingestão, por inalação, sobretudo de alergénios aerotransportados (como vapores, nomeadamente de mariscos e peixe) e ainda por contacto (por exemplo, com pele do pêssego).

Também os fármacos são fator causal. Na prática torna-se difícil distinguir a causa, se é do fármaco em si ou do processo infecioso associado. De salientar que em crianças, perante a suspeita de reação alérgica ao fármaco, raramente se confirma a sensibilização ao mesmo. Os fármacos mais frequentemente implicados são os antibióticos e os anti-inflamatórios.

Diagnóstico
O diagnóstico é clínico, através das manifestações cutâneas.

Na urticária aguda, por norma, não há indicação para exames laboratoriais de rotina.

Tratamento
Em primeira instância devem ser aplicadas medidas não medicamentosas, nomeadamente:
– Eliminação de alimentos /fármacos, consoante suspeita clínica
– Para alívio do prurido, aplicar compressas de água fria e/ou loção de calamina
– Evitar contacto com água quente, atividade física, álcool e cafeína, stress, exposição solar, roupas apertadas
– Evitar ingestão de alimentos histaminérgicos (queijo, laranja, chocolate, cafeína, morango, frutos vermelhos, tomate)
Em relação ao tratamento medicamentoso deve ser inicialmente administrado anti-histamínico, previamente prescrito pelo médico. Outros medicamentos podem ter interesse em situações particulares mediante avaliação médica.
Os corticoides tópicos não estão recomendados bem como a hidroxizina.

Prognóstico
Em idade pediátrica é considerada uma doença benigna e autolimitada em 95% dos casos, com resolução completa em 15 dias.

ALERTA
Deve recorrer-se ao Serviço de Urgência se:
– Edema da face, genitais, mãos ou pés
– Rouquidão
– Dificuldade em respirar

Joana Vilaça, com a colaboração de Margarida Reis Morais, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga

Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.