PEDIATRIA

O meu filho ressona

Na sua origem podem estar causas tão variadas como constipações, hipertrofia adenoamigdalina, obesidade, desvios do septo nasal, aumento dos cornetos nasais, rinite alérgica, doenças neuromusculares ou anomalias craniofaciais... A lista é enorme! E na mesma criança/adolescente podem coexistir várias destas situações.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O ressonar consiste num ruído inspiratório produzido pela vibração dos tecidos moles da faringe, que ocorre quando se pretende respirar contra um aumento da resistência das vias aéreas durante o sono.

É normal as crianças e/ou adolescentes ressonarem?
Ressonar não é normal! Se o seu filho ressona habitualmente, deve informar o médico de família e/ou o pediatra assistente.

O ressonar é o sintoma mais frequente da perturbação respiratória do sono (PRS).

A PRS varia desde um ressonar simples a uma forma mais grave chamada síndrome de apneia obstrutiva do sono (SAOS).

É frequente as crianças e/ou adolescentes ressonarem?
Cerca de 2% a 12% das crianças/adolescentes ressonam. Um quinto destas crianças/adolescentes que ressonam têm SAOS.

Atinge mais os rapazes ou as raparigas?

Ao contrário dos adultos, em que o sexo masculino é o mais afetado, a PRS na infância afeta igualmente ambos os sexos.

Quais são as causas do ressonar?
Na sua origem podem estar causas tão variadas como constipações, hipertrofia adenoamigdalina, obesidade, desvios do septo nasal, aumento dos cornetos nasais, rinite alérgica, doenças neuromusculares ou anomalias craniofaciais… A lista é enorme! E na mesma criança/adolescente podem coexistir várias destas situações.

A causa mais comum é o aumento de volume das amígdalas e adenoides, particularmente entre os 3 e os 10 anos, coincidente com o período de maior desenvolvimento do tecido linfoide das vias respiratórias superiores.

A obesidade, um dos fatores mais frequentemente relacionados com a PRS no adulto, é também cada vez mais um importante contributo nesta faixa etária, especialmente nos adolescentes.
 
O que é a SAOS?
A síndrome de apneia obstrutiva do sono caracteriza-se pela obstrução recorrente, parcial ou completa, da via aérea superior, traduzindo-se pela ausência ou diminuição do fluxo aéreo nestas estruturas. Esta obstrução conduz à diminuição do oxigénio e ao aumento do dióxido de carbono no organismo. Estas alterações respiratórias causam pequenos despertares durante a noite, fragmentando e perturbando o sono.

Além do ressonar, que outras queixas podem ter as crianças/adolescentes com PRS?
- Respiração predominantemente pela boca
- Sono agitado, com ou sem despertares frequentes
- Enurese noturna (urinar na cama)
- Aumento da sudorese durante o sono
- Pausas respiratórias (apneias)
- Alterações do comportamento, como irritabilidade, hiperatividade ou agressividade
- Sonolência excessiva, traduzida por dificuldade em acordar de manhã, adormecer na escola, necessidade de sestas em idades que já não é habitual
- Dificuldade de aprendizagem    
- Dor de cabeça ou falta de apetite pela manhã

Como se faz o diagnóstico de PRS?
O diagnóstico da perturbação respiratória do sono pode ser só clínico, isto é, baseado numa história clínica detalhada e num exame físico completo, não sendo necessário realizar exames complementares de diagnóstico.

Poderá ser útil realizar um estudo poligráfico do sono, que é um exame realizado num laboratório do sono durante uma noite inteira e que permite avaliar a respiração e as atividades cerebral, muscular e cardíaca, entre outros parâmetros.

Podem também ser utilizados questionários do sono.

Qual é o tratamento da PRS?
O tratamento depende da causa e da gravidade. Por vezes, recorre-se a mais do que um tratamento na mesma criança/adolescente. Dado que a principal causa de PRS em idade pediátrica ser a hipertrofia adenoamigdalina, um dos tratamentos mais frequentes é a adenoamigdalectomia. Os corticoides nasais são usualmente utilizados, com alguma eficácia, na ausência de indicação cirúrgica, enquanto se aguarda pela cirurgia ou quando a cirurgia não foi totalmente curativa. Quando se associa à obesidade, a redução do peso é o tratamento de eleição. Em certos casos, poderá ser indicada a utilização durante o sono de ventiladores - aparelhos que aplicam uma pressão positiva de ar nas vias aéreas através de uma máscara nasal ou oro-nasal de forma a evitar o seu colapso.

Podem também ser indicadas outras cirurgias: correção do desvio do septo nasal, remoção de pólipos nasais, limpeza dos cornetos nasais. 

A correção ortodôntica (expansão maxilar) pode ser necessária.

A instituição de hábitos saudáveis de sono, dado a privação de sono reduzir o tónus muscular e aumentar o colapso da via aérea superior. e a evição do fumo de tabaco são igualmente medidas importantes.  
 
Qual é o prognóstico da PRS?

Na ausência de tratamento, a PRS, particularmente a sua forma mais grave, a SAOS, pode ter implicações importantes no crescimento e desenvolvimento da criança, nomeadamente má progressão ponderal, assim como consequências neurocognitivas (alterações do comportamento, irritabilidade, hiperatividade e défice de atenção e dificuldades de aprendizagem), cardiovasculares e metabólicas.

Assim, uma criança que ressona habitualmente deve ser observada pelo médico, visto que a gravidade do ressonar, assim como as suas causas, pode ter consequências importantes no desenvolvimento da criança.

Ana Catarina Guimarães, com a colaboração de Carla Moreira e Augusta Gonçalves, Pediatras do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.