PEDIATRIA

Atividades Promotoras do Desenvolvimento Psicomotor até aos 5 anos

Não deve comparar o seu filho com as restantes crianças quanto às “habilidades” que faz, mas é importante que fale com o seu médico caso o processo de desenvolvimento do seu filho lhe cause preocupação ou ansiedade. Caso seja identificado algum atraso de desenvolvimento, o que deve acontecer o mais precocemente possível, o seu médico irá acompanhar e orientar adequadamente.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
No seguimento do artigo anterior, Atividades promotoras do desenvolvimento psicomotor no primeiro ano do bebé, e de forma a elucidar o processo de desenvolvimento após o primeiro ano de vida, em linhas gerais, segue um esquema-tipo dirigido a cada idade, assim como algumas dicas para promover o progresso do seu filho.

18.º mês
Com 18 meses a criança anda bem. Gosta de ver livros embora folheie varias páginas de cada vez e risca papéis pegando nos lápis preferencialmente com uma mão. Diz 6 a 26 palavras e conhece as partes do corpo.
Nesta fase, ensine-a a arrumar os brinquedos e a evitar expor-se a perigos, como não se aproximar do fogão. Deixe-a rabiscar no papel. Repita com ela as partes do corpo, como por exemplo quando a está a vestir... cante e dance.

2.º ano
Aos 2 anos é vê-lo correr! Gosta de livros, já consegue folheá-los página por página, mas por vezes vai preferir rabiscá-los em círculos. O discurso do tagarela é maioritariamente incompreensível, mas diz claramente o seu nome e o de alguns objetos, assim como frases simples. Põe e tira um chapéu. Bebe pelo copo sem entornar e come sozinho com colher.
Com tanta energia é ainda trapalhão, pelo que deve incentivá-lo a correr ou a pular num pé. Permita-lhe pintar com tintas adequadas, fazer puzzles simples, e no fim ensine-a a arrumar os brinquedos. Conte-lhe histórias e estimule-a a pronunciar palavras corretamente e a emitir a sua opinião. Inicie o desfralde de acordo com a sua capacidade de fala/compreensão. Peça-lhe para ajudar nas tarefas diárias, como se de um jogo se tratasse.

3.º ano
A criança já sabe subir escadas facilmente. Sabe dizer o seu nome completo, o seu sexo e identifica duas cores. O seu discurso ainda é pouco compreensível por estranhos. Já vai à casa de banho sozinho e despe-se se não tiver botões. Já come com garfo.
A criança com 3 anos precisa de se mexer muito, de correr, saltar ou andar de triciclo. A sua imaginação é fértil e facilmente mistura a realidade com a fantasia. Este pensamento mágico deve ser respeitado e não ridicularizado. Nos tempos de convívio assistam juntos, por tempo limitado, a programas televisivos adequados, conversem muito e estimule a criança a contar o que fez durante o dia. Tenha paciência porque esta é a fase dos “porquês” e a criança vai esperar que responda às mais mirabolantes dúvidas! Ensine-a a partilhar brinquedos e mantenha regras, apesar de poder haver birras.

4.º ano
A criança sobe e desce escadas fluentemente e salta num pé. Conhece as quatro cores básicas, e por vezes muitas mais, a sua idade e a sua morada. Fala fluentemente. Consegue vestir e despir-se com exceção dos laços e respeita regras como a de esperar pela sua vez.
Habitualmente a criança com 4 anos gosta de construções de puzzles, de desenhar o corpo humano e de cantar. Estimule-a a distinguir as cores. Ajude-a a controlar os impulsos mas incentive-a a verbalizar os seus pensamentos e vontades. Valorize a sua participação nas tarefas domésticas e encarregue-a de transmitir uma mensagem sua a outra pessoa.

A partir do 5.º ano a criança é cada vez mais autónoma mas nem por isso necessita de menos atenção. Acompanhe o desenvolvimento da sua personalidade e da criação de valores.
Promova atividades de movimento, assim como recortes e colagens. Converse com a criança de modo a aumentar o seu vocabulário, questione sobre o significado das palavras e ensine-o caso seja oportuno. Compreenda que a criança possa ter medos e fobias, apoie-a sem a ridicularizar. Incremente a sua noção de responsabilidade e autoestima (por exemplo dando-lhe tarefas complexas e elogiando-a no seu sucesso), mas sem resvalar para a vaidade e sem ser condescendente com a quebra de limites. Consolide regras, sobretudo no que diz respeito ao tempo passado frente a écrãs.

Não deve comparar o seu filho com as restantes crianças quanto às “habilidades” que faz, mas é importante que fale com o seu médico, caso o processo de desenvolvimento do seu filho lhe cause preocupação ou ansiedade. Caso seja identificado algum atraso de desenvolvimento, o que deve acontecer o mais precocemente possível, o seu médico irá acompanhar e orientar adequadamente.

Em suma, este processo exige muita dedicação, carinho, apoio, conversas e brincadeiras com a criança, assim como a imposição de regras de segurança… é parte do educar! O tempo que dedicar a este projeto trará fortes e boas consequências na vida da criança.


Maria do Carmo Ferreira, com a colaboração de Sandra Costa, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga.
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.