PSICOLOGIA

Cuidados a ter com as mesadas

Se não quer que a mesada perca a sua função, então não ceda aos seus pedidos e habitue-o a controlar os seus recursos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Dando continuidade ao tema já abordado no artigo anterior, torna-se indispensável refletir sobre alguns aspetos que é importante ter em consideração quando tomar a decisão de dar ao seu filho uma mesada.
Ao atribuir uma mesada é natural que o adulto exija à criança ou adolescente a responsabilidade por administrar uma determinada quantia e que portanto não peça dinheiro sempre que necessite de fazer alguma despesa. Por esta razão, os pais devem evitar dar mais dinheiro aos filhos quando estes administram mal a sua mesada.

Sempre que os pais cedem sistematicamente aos pedidos de mais dinheiro por parte dos filhos, vão acostumá-los a pedir sempre mais do que aquilo que foi estipulado, o que não é nada benéfico para que ocorra a aprendizagem do controlo dos impulsos de consumo. Se não quer que a mesada perca a sua função, então não ceda aos seus pedidos e habitue-o a controlar os seus recursos. Esta regra apenas deve ser quebrada se o dinheiro acabou antes do tempo devido a uma despesa que não estava planeada e que efetivamente era necessário fazer.

Um outro aspeto importante a ter em consideração é que a mesada não deve ser atribuída como uma recompensa do bom comportamento ou bom desempenho escolar, nem deve ser suspensa como punição. Esta conduta leva a que a criança percecione os valores e as normas de conduta como estando dependentes do dinheiro. Se o seu filho ainda não consegue administrar as suas economias, ajude-o a elaborar uma lista de prioridades e dê-lhe apoio no seu cumprimento. Uma pequena ajuda inicial torna-o progressivamente mais eficiente na gestão dos seus 'bens'.

O valor da mesada não deve ser nem demasiado alto, nem demasiado baixo. Se for demasiado alto pode levar ao consumismo; se for demasiado baixo, não será suficiente para cobrir as despesas, dando a falsa perceção de má gestão. Estabeleça uma data de atribuição da mesada/semanada e respeite religiosamente essa data. Tal como você, o seu filho também precisa de saldar as suas 'dívidas' a tempo e horas. Sempre que o seu filho lhe peça um aumento da mesada, deve analisar cuidadosamente com ele o motivo do pedido, verificando se os gastos aumentaram e quais as razões do aumento.

No caso de estar divorciado não tente conquistar o afeto dos seus filhos com dinheiro. O ideal nesta situação é definir previamente se é o pai ou a mãe que fica responsável pela atribuição da mesada. No caso de resolverem dividir por ambos o valor desta, deverão acertar quanto deve dar cada um.

Independentemente das dúvidas que este tema ainda lhe possa suscitar acredite que a experiência de administrar o próprio dinheiro ensinará mais a criança ou jovem que vários sermões a propósito do assunto. Experimente...

VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMA
Mesadas

Adriana CamposLicenciada em Psicologia pela Universidade do Porto, na área da Consulta Psicológica de Jovens e Adultos e mestre em Psicologia Escolar. Detentora da especialidade em Psicologia da Educação e das especialidades avançadas em Necessidades Educativas Especiais e Psicologia Vocacional e de Desenvolvimento da Carreira atribuída pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. Atualmente desenvolve a sua atividade profissional no Agrupamento de Escolas do padrão da Légua em Matosinhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.