PSICOLOGIA

Educação parental

'Se ele é assim ou se age de forma menos correta, então eu falhei no desempenho da minha função parental'. Este é um raciocínio muito frequente que é urgente alterar, para bem dos pais e dos filhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Se vai ser pai/mãe nos próximos tempos, então prepare-se porque irá assumir um dos papéis mais desafiadores, extenuantes e difíceis da existência humana, em relação ao qual não há retorno. Pelo menos durante um longo período, acabaram-se os fins de semana descansados, as idas ao cinema e os jantares fora. Mesmo que tenha avós disponíveis para acolher o novo elemento da família, a presença dele na sua mente será constante e por isso dificilmente poderá encontrar aquela tranquilidade de antigamente. Não é que eu queira pintar o quadro muito negro, mas quem tem filhos sabe bem que o descanso acabou. Acha que estou a exagerar? Então o melhor é esperar para ver... Vai ver o lado difícil, mas também o outro. É que eles, para além de nos encherem a vida de preocupações, também preenchem a nossa existência de alegria e encantam-nos permanentemente.

Muitas são as dúvidas que assaltam os pais quando desempenham a sua função, nomeadamente se têm dado aos filhos o contributo essencial para que estes cresçam de forma equilibrada e feliz. É muito frequente encontrar pais a culpabilizarem-se quando algo corre mal com os filhos... 'Se ele é assim ou se age de forma menos correta, então eu falhei no desempenho da minha função parental'. Este é um raciocínio muito frequente que é urgente alterar, para bem dos pais e dos filhos.

A existência de serviços de apoio e orientação de pais poderia ser uma excelente ajuda para eles viverem de uma forma mais tranquila o desempenho da sua missão, em relação à qual ninguém nasceu ensinado. Estes serviços de apoio poderiam funcionar nas autarquias ou nos centros de saúde e terem como coordenadores psicólogos e psiquiatras. A existência deste tipo de serviço seria de grande utilidade, uma vez que os pais muitas vezes se sentem perdidos e incapazes de definir o tipo de estratégia mais adequada para ajudarem os filhos a resolver problemas, que muitas vezes estão associados a uma determinada etapa do desenvolvimento. Além disto, é urgente que os pais possam treinar competências que lhes permitam mudar alguns comportamentos quando são confrontados com determinadas circunstâncias.

A educação parental é um desafio que se poderá também colocar aos psicólogos que trabalham em contexto escolar, uma vez que a alteração do comportamento dos mais novos passa, sobretudo, por um trabalho intensivo junto dos seus encarregados de educação. Todo o trabalho que for desenvolvido com os pais será uma forma de prevenir o aparecimento de muitos dos comportamentos que são considerados indesejáveis no contexto escolar.

Pais informados, descontraídos e confiantes são meio caminho andado para a felicidade mútua. Torna-se por isso urgente investir mais na formação de quem tem a difícil tarefa de educar.

Adriana CamposLicenciada em Psicologia pela Universidade do Porto, na área da Consulta Psicológica de Jovens e Adultos e mestre em Psicologia Escolar. Detentora da especialidade em Psicologia da Educação e das especialidades avançadas em Necessidades Educativas Especiais e Psicologia Vocacional e de Desenvolvimento da Carreira atribuída pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. Atualmente desenvolve a sua atividade profissional no Agrupamento de Escolas do padrão da Légua em Matosinhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.