EDUCAÇÃO

Diário de uma psicóloga escolar

E como professor é "pau para toda a colher", embora esteja "abaixo de cão", psicólogo parece estar "abaixo de professor". E é assim que já foi sugerido, na televisão, por responsáveis na política educativa, que qualquer professor experiente pode substituir um psicólogo quando ele não existe.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Os dias que correm não são felizes para os professores, que se sentem, com razão, tratados "abaixo de cão". Mas os dias que correm, consequentemente, também não são felizes para a educação. E quando se fala de educação, fala-se de outros profissionais que conseguem ainda, por vezes, ser mais desconsiderados que os docentes. Estou a pensar em profissionais que (quase) não existem nas escolas e veem as suas funções desempenhadas por professores ou... por ninguém. E como professor é "pau para toda a colher", embora esteja "abaixo de cão", psicólogo parece estar "abaixo de professor". E é assim que já foi sugerido, na televisão, por responsáveis na política educativa, que qualquer professor experiente pode substituir um psicólogo quando ele não existe.

Serão tão irrelevantes as funções de um psicólogo escolar ou tão simples de serem assumidas por pessoas sem a formação adequada? Acompanhemos uma psicóloga num dia de trabalho no agrupamento em que está colocada.

- 09h00 - Escola EB 2/3 - Atendimento de um aluno de 16 anos a frequentar o 6.º ano. Família desestruturada, governa o seu quotidiano em completa autogestão, desde a decisão sobre o que comer ao longo do dia, passando pelo local onde irá angariar umas moedinhas à noite, arrumando carros, até à hora em que deve regressar a casa para dormir.

- 09h40 - Atendimento de uma encarregada de educação, cuja filha, frequentando o 8.º ano, tem problemas de integração na turma e na escola e é alvo de bullying.

- 10h00 - Pequena pausa (?) para um café, no bufete da escola. O café acaba por arrefecer, tantas são as solicitações dos professores que querem pedir "dicas" sobre formas de atuação com alunos/turmas com os mais variados problemas.

- 10h10 - Partida da Escola EB 2/3, rumo a uma das escolas do 1.º ciclo do agrupamento para, em conjunto com a professora de uma turma, analisar e, provavelmente, reformular o plano de apoio a um aluno com síndroma de Asperger, e para atender e apoiar individualmente esse aluno.

- 11h10 - De novo na Escola EB 2/3. A manhã reparte-se entre mais alguns atendimentos a encarregados de educação e alunos, sempre na angústia de ter de equilibrar o tempo de atendimento desejável com a necessidade de dar resposta ao apoio a um elevado número de alunos. Pelo meio ficam telefonemas diversos para encarregados de educação ou entidades como a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco ou escolas profissionais.

- das 13h00 às 13h30 - Almoço na cantina da escola. Alunos que entram ou saem aproximam-se para contar as suas alegrias ou tristezas do dia ou simplesmente para, a pretexto da confirmação da data do próximo atendimento, poderem receber o afeto que sempre lhes é dispensado.

- 14h00 - Atendimento a um grupo de alunos que, estando fora da idade de frequência obrigatória da escola, estão ainda no 2.º ciclo e continuam desmotivados. Objetivo: criar um espírito de motivação e de entreajuda no grupo para haver assiduidade às aulas e cumprimento de tarefas que possibilitem o seu sucesso académico.

- 14h45 - Reunião com uma diretora de turma para definição do plano de abordagem do tema "Educação sexual" na sua turma de 7.º ano.

- 15h15 - Participação na reunião de uma equipa pedagógica do 9.º ano, para definição da intervenção na área da orientação escolar e profissional.

- 16h00 - Reunião com uma assistente social do Instituto de Reinserção Social para fazer o balanço do acompanhamento de um aluno e para redefinir estratégias de intervenção.

- 16h30 - Reunião com uma diretora de turma para apoio na elaboração de um plano educativo para um aluno sobredotado, com problemas de integração na turma e desinteresse pelas aulas.

- 17h00 - Hora de saída. A chegada até ao portão faz-se com alguma lentidão, devido aos diversos professores e alunos que, à sua passagem, aproveitam para trocar algumas palavras e pedir alguns conselhos ou sugestões ou, simplesmente, para desabafar.

Terá acabado o dia de trabalho da psicóloga? Claro que não. Onde, ao longo de todas estas horas, coube o estudo do processo da cada aluno atendido? Onde coube a pesquisa para definir formas de intervenção nas variadas situações a que teve que dar resposta? Onde coube a preparação de materiais? Resposta evidente: em casa, nas horas de lazer e, por isso, não remuneradas. Por vezes, há ainda reuniões com conselhos de turma ou com encarregados de educação, às 18h30. Mais lá para diante, no ano letivo, haverá também o trabalho com cada turma de 9.º ano, com cada aluno individualmente e com os seus encarregados de educação, para o aconselhamento relativamente às escolhas pós-9.º ano. Ficará para mais tarde ainda o apoio na transição dos alunos do 4.º ano para a nova escola. Estas tarefas não implicarão uma redução das exigências nas outras áreas de intervenção, sendo antes um acréscimo de responsabilidades e de trabalho.

Terá um qualquer professor "com muita experiência" tempo, conhecimentos de Psicologia e formação profissional para cumprir as funções de um psicólogo escolar? Parece-me evidente que não.

Haverá exagero na descrição feita neste artigo? Não. Na verdade, todas as semelhanças com a realidade não são coincidência; resultam da minha observação do quotidiano da psicóloga do agrupamento em que está inserida a minha escola.
Armanda ZenhasProfessora aposentada. Doutora em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Mestre em Educação, área de especialização em Formação Psicológica de Professores, pela Universidade do Minho. Autora de livros na área da educação.
Professora profissionalizada nos grupos 220 e 330. Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, nas variantes de Estudos Portugueses e Ingleses e de Estudos Ingleses e Alemães, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Professora profissionalizada do 1.º ciclo, pela Escola do Magistério Primário do Porto.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.