PEDIATRIA

O exantema súbito

A prevenção é difícil porque a maioria dos vírus implicados são transmitidos através de secreções de contactos assintomáticos. Medidas higiénicas simples, tal como a lavagem frequente das mãos, podem ajudar a evitar a disseminação.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O exantema súbito (também conhecido como roséola infantil, sexta doença, pseudorubéola ou febre dos três dias) é uma doença infeciosa aguda que se caracteriza pelo surgimento de febre alta com 3 a 5 dias de evolução (pode exceder 40ºC) que se resolve abruptamente e é seguida pelo desenvolvimento de uma erupção cutânea. O agente causador mais frequente é um vírus da família do vírus herpes (Vírus Herpes Humano tipo 6).

Quais são as causas?
É uma doença causada por vírus, sendo que a maioria é devida a vírus da família do vírus herpes humano tipo 6. Outros agentes implicados incluem o vírus herpes humano tipo 7, enterovírus, adenovírus e parainfluenza tipo 1.

Que crianças são atingidas?
O exantema súbito é uma doença infeciosa da infância, que ocorre tipicamente entre os 7 e os 13 meses, com igual incidência no sexo masculino e feminino. Não tem preferência por qualquer época do ano.

Como se transmite?
A maioria dos casos ocorre espontaneamente, sem exposição de risco conhecida. Pode ser transmitida através de secreções de crianças infetadas. O contacto com o vírus protege de novas infeções (imunidade permanente), embora haja casos relatados de reativação da infeção latente.

Quais são os sintomas?
A evolução clínica é muito sugestiva: 3 a 5 dias de febre que se resolve abruptamente e é seguida pelo desenvolvimento de uma erupção cutânea.

Febre: classicamente, o quadro inicia-se por uma febre que pode exceder 40ºC e perdura por 3 a 5 dias. Há um contraste entre a intensidade da temperatura e o aspeto da criança, que não aparenta estar gravemente doente. A febre pode surgir acompanhada por irritabilidade e diminuição do apetite, embora hajam muitas crianças que se apresentem com bom estado geral e ativas. Outros sintomas que podem estar presentes são: mal-estar geral, conjuntivite, tosse, cefaleias, vómitos, diarreia ou adenomegalias (gânglios aumentados de volume). Por vezes, nas crianças suscetíveis, podem verificar-se convulsões febris.

Exantema (erupção cutânea): subitamente, desaparece a febre e surge um exantema macular (pequenas manchas) ou maculopapular (salientes), róseo, que começa no pescoço e tronco e se estende para a face e membros. Geralmente não é pruriginoso. Esta erupção acaba por desaparecer em 1 a 2 dias, sem deixar marcas.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico deve ser baseado na clínica (sinais e sintomas) já descrita: febre com duração de 3 a 5 dias, que desaparece subitamente e é seguida pelo aparecimento de uma erupção cutânea. São desnecessários exames laboratoriais na grande maioria dos casos.

E tem complicações?
O exantema súbito é uma doença benigna, auto-limitada e as complicações são muito raras. Podem, contudo, surgir convulsões, geralmente desencadeadas pela febre alta característica da doença. Outras complicações, raramente descritas, incluem meningite asséptica, encefalite e púrpura trombocitopénica.

Qual o tratamento?
O tratamento é apenas de suporte e tem como objetivo fazer baixar a febre, para confortar a criança e evitar o surgimento de convulsões febris. Deve ser reforçada a ingestão de líquidos. Nos períodos febris, podemos controlar a febre com antipiréticos (preferência para o paracetamol) e pode ser necessário o arrefecimento com compressas húmidas em água tépida e banho tépido.

Prognóstico
A grande maioria das crianças com exantema súbito recuperam espontaneamente, sem sequelas.

Prevenção
A prevenção é difícil porque a maioria dos vírus implicados são transmitidos através de secreções de contactos assintomáticos. Medidas higiénicas simples, tal como a lavagem frequente das mãos, podem ajudar a evitar a disseminação.

Os casos esporádicos de exantema súbito não são considerados "contagiosos" e por isso não há necessidade de evicção escolar.


Ângela Pereira, com a colaboração de Carla Moreira, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de São Marcos, Braga

Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.