PEDIATRIA

O seu filho tem amigdalite aguda e não foi prescrito antibiótico. Porquê?

A amigdalite é a inflamação das amígdalas e a faringite a inflamação da faringe. Ambas se manifestam por dor de garganta e, como ocorrem na maior parte das vezes em simultâneo e as amígdalas fazem parte da faringe, fala-se em faringoamigdalite aguda ou faringite aguda.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
As amígdalas são duas estruturas localizadas na parte posterior da boca, em ambos os lados da garganta. São constituídas por tecido linfoide (tecido em que se fabricam defesas contra a infeção), representando uma primeira barreira de proteção. Esta posição vulnerável contribui para que, por vezes, sejam também foco de infeção.

A amigdalite é a inflamação das amígdalas e a faringite a inflamação da faringe. Ambas se manifestam por dor de garganta e, como ocorrem na maior parte das vezes em simultâneo e as amígdalas fazem parte da faringe, fala-se em faringoamigdalite aguda ou faringite aguda.

Quais são as causas da amigdalite aguda?
Os vírus são a principal causa de amigdalite, ocorrendo sobretudo nos meses frios. A transmissão ocorre por via respiratória através de gotículas de saliva expelidas ao tossir, espirrar ou falar, sendo por isso mais fácil a contaminação em locais fechados e aglomerados de pessoas.

Dentro das bactérias, o Streptococcus pyogenes é o mais frequente (amigdalite estreptocócica). Estima-se que esta bactéria seja responsável pela infeção em menos de 1/3 dos casos de doença entre os 3 e os 13 anos. Em crianças com idade inferior ou igual a 2 anos, a incidência da amigdalite causada por bactérias é desprezível, ou seja, quase nunca necessitam de tratamento com antibiótico.

Quais são os sintomas e como se faz o diagnóstico?
Os sintomas de amigdalite aguda vírica e bacteriana são facilmente confundíveis.

A dor de garganta é o sintoma mais comum, acompanhada ou não por febre (que pode ser alta e difícil de ceder), tosse, nariz obstruído e, menos frequentemente, dejeções mais moles, vómitos e dor de cabeça.

A visualização de pús nas amígdalas não é suficiente para se concluir a causa, pois há vírus que o provocam.

A presença de um exantema rugoso (pele com manchas vermelhas ásperas ao toque) é o sinal mais fidedigno de etiologia estreptocócica.

Quando o médico suspeita de uma causa bacteriana, pode recorrer à zaragatoa da orofaringe: um teste em que se raspa um cotonete nas amígdalas e se envia para o laboratório para análise. A partir deste material, será feito um teste rápido (10-15 minutos) que permite orientar o tratamento: se resultar positivo será iniciado antibiótico. Cerca de três dias depois, chegará o resultado da cultura que permitirá concluir com mais segurança se se trata ou não de uma amigdalite causada por bactérias.

Qual o tratamento?
Ao contrário do que possa pensar e, uma vez que a maior parte das amigdalites agudas são de causa vírica, não há indicação para o tratamento com antibiótico!

As amigdalites víricas (a maioria) curam-se sem antibiótico em menos de uma semana. Assim, o tratamento passa pelo alívio sintomático: reforçar ingestão de líquidos, analgesia para a dor de garganta, arrefecimento e antipiréticos se existir febre.

Se o médico suspeitar de origem bacteriana da amigdalite, irá propor-lhe duas opções de tratamento, ambas igualmente eficazes: penicilina intramuscular em toma única ou amoxicilina oral (antibiótico do grupo da penicilina) durante 7 a 10 dias.

Então quando será necessário o tratamento antibiótico?
Só o médico poderá decidir se será ou não necessário prescrever antibiótico.

O primeiro dado orientador é a idade: podemos afirmar que uma criança com idade inferior ou igual a 2 anos só excecionalmente necessitará de antibiótico já que virtualmente todas as amigdalites nesta faixa etária são causadas por vírus.

O conjunto de sinais e sintomas também contribuem para o diagnóstico correto: a dor de garganta acompanhada por febre, nariz obstruído ou a pingar, tosse e dejeções mais moles, sugere-nos uma causa vírica e, por isso, não deve ser prescrito antibiótico.

Pelo contrário, o início súbito de dor de garganta e febre, exantema rugoso e amígdalas cobertas de pús, sugere-nos uma causa bacteriana. Se o quadro clínico for muito sugestivo ou se estiver disponível um teste rápido por zaragatoa da orofaringe com resultado positivo poderá ser prescrito antibiótico.

E se houver dúvidas, corro riscos no caso de não ser prescrito antibiótico?

Uma das complicações mais temidas da amigdalite aguda é a febre reumática, atualmente praticamente em extinção. O atraso no início da terapêutica antibiótica até 9 dias de doença não aumenta o risco de febre reumática, pelo que, nestes casos, se deve adotar uma atitude expectante até se saber o resultado do estudo da cultura da zaragatoa da orofaringe.

Tem-se assistido a uma prescrição exagerada e desnecessária de antibióticos, o que contribui para a seleção de microrganismos resistentes ao tratamento, por isso, a decisão de tratar com antibiótico deve ser ponderada apenas nos casos fortemente suspeitos e, se possível, com teste rápido ou cultura positivos.

Ângela Pereira, com a colaboração de Manuela Costa Alves, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.