PEDIATRIA

Doença celíaca

A doença celíaca é uma doença autoimune, o que significa que o corpo vai reagir contra o próprio corpo, neste caso contra o revestimento, a "pele" do intestino chamado mucosa.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Para se sofrer de doença celíaca (DC) é necessário ter uma herança de genes que tornam a pessoa sensível ao contacto com o glúten e, obviamente, entrar em contacto com o glúten. O glúten é um componente da proteína dos cereais como o trigo, o centeio e a cevada. Se se herdar a suscetibilidade ao glúten mas se nunca o ingerir nunca se terá DC.

O que é a DC?
A DC dá o que chamamos síndrome de mal-absorção ao atingir o intestino. O intestino tem metros de superfície para absorver os alimentos e passa a ter menos superfície porque os dedos da mucosa dos intestinos - as vilosidades - encurtam-se até a mucosa deixar de os ter e se chamar mucosa plana. A mucosa plana não consegue aproveitar o que comemos e então começam os sintomas e sinais da doença.

Como suspeitar de DC?
O seu(sua) filho(a) fica com diarreia prolongada que dura mais de três semanas ou até meses, apresenta uma barriga grande, emagrece, fica pálido e irritado. Pode ter anemia por deficiência de ferro e não conseguir deixar de ter, mesmo tratando convenientemente com ferro. A doença só começa depois de a criança comer glúten. O glúten deve ser introduzido aos seis meses de vida e se nessa altura o seu filho apresentar estes sintomas, deve levá-lo ao médico para fazer rastreio de DC.

Como se faz o rastreio de DC?
O rastreio faz-se através de uma análise ao sangue. A análise tem que obrigatoriamente conter IgA total e um anticorpo, o anticorpo antitransglutaminase. Para qualquer ponto do país, ou se estiver em zonas do país que têm experiência em DC, poderá ser o anticorpo anti-endomísio em hospital ou laboratório com experiência. Se o resultado for positivo é essencial que o seu filho continue a comer glúten até fazer uma biopsia ao intestino.

Como fazer se o rastreio for positivo?
Se o rastreio for positivo, o seu médico deve orientar o seu(sua) filho(a) para um especialista em gastrenterologia pediátrica, que fará a biopsia ao intestino. A criança adormece com anestesia e faz-se uma endoscopia. Com um tubo fino vai-se até ao intestino delgado e colhe-se uma pequena quantidade de mucosa que vai ser analisada, se se encontrar uma mucosa plana inicia dieta sem glúten. O especialista em gastrenterologia vai então explicar-lhe como se chega ao diagnóstico definitivo de DC.

Quando já sei que tem DC o que fazer?
A dieta sem glúten é para toda a vida. A DC é uma doença crónica. A exclusão do glúten tem de ser total, e, se for católico, inclui até as partículas sem glúten para comungar (hóstias). As batatas, o arroz, a carne, o peixe, os ovos, os legumes, a farinha de fécula de batata, o milho, a fruta não têm glúten, por isso o(a) seu(sua) filho(a) poderá fazer uma dieta equilibrada e normal com estes produtos que não têm glúten. Para que o seu filho não se sinta diferente das outras crianças, deve poder comer pão, bolachas e bolos - para isso, há as farinhas de fécula de batata e farinhas sem glúten produzidas por empresas especializadas que o seu médico e a associação de celíacos conhecem e que devem informar quais são para poder comprar estes produtos a preços mais acessíveis.

Outros sintomas de DC
Mas nem sempre o diagnóstico de DC é tão fácil. Por vezes, em vez de diarreia, a criança pode não conseguir expelir as fezes (obstipação) e ter dores de barriga frequentes, sintomas associados, geralmente, a uma barriga grande e a uma estagnação do peso. Nos adolescentes, pode provocar o não aparecimento da menstruação nas raparigas, paragem no crescimento, dores de barriga, anemia por deficiência de ferro ou depressão.

A DC deve ser rastreada em crianças com síndrome de Down, diabetes tipo 1, tiroidite, baixa estatura, e, já agora, pense em si, em casos de osteoporose precoce e infertilidade. Esta doença, como todas as doenças autoimunes, é mais frequente no sexo feminino.

Os celíacos são normais?
Pessoalmente já fiz o diagnóstico a 56 crianças e adolescentes celíacos.

São pessoas normais, criativas, que, depois de serem confrontadas com a doença, habitualmente se afastam de práticas de vida não saudáveis. Não se consegue distinguir um celíaco de uma outra criança ou adolescente não celíaco e esse é o objetivo do tratamento de uma criança celíaca - que seja um celíaco assumido e não uma criança com uma doença.

Experiência de uma adolescente com DC
Uma adolescente que não veio à consulta, mas foi detetada por rastreio numa escola de Braga, testemunha que "desde que deixei de comer glúten sinto um bem-estar tão grande e as minhas colegas dizem que fiquei bonita. Eu sentia-me muito mal, mas como sempre me senti assim só agora percebo que não era normal". É por isso muito recompensador fazer este diagnóstico porque o bem-estar que se proporciona com o diagnóstico e tratamento de DC é óbvio.

Henedina Antunes, assistente de Pediatria (subespecialista em Gastrenterologia Pediátrica)
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.