PEDIATRIA

Andarilhos são sarilhos…

O andarilho não ajuda a criança a caminhar mais cedo, sendo mesmo desadequado ao desenvolvimento da capacidade de marcha.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Os andarilhos são os equipamentos de puericultura que mais acidentes graves provocam. O andarilho (aranha, andador, voador) é uma espécie de cadeirinha suspensa sobre uma armação de metal e/ou plástico provida de rodas, que permite que a criança se desloque sozinha sobre o pavimento com o impulso dos pés.

A maioria dos pais acredita que os andarilhos permitem que a criança aprenda a andar mais cedo e com mais facilidade, sendo uma font_tag_tage de entretenimento para a mesma. Muitos pais veem o andarilho como uma ama enquanto se dedicam a outras tarefas.

O uso de andarilhos leva todos os dias aos hospitais portugueses pelo menos duas crianças, de acordo com a estimativa de um Estudo-Piloto da Incidência Nacional de Lesões Associadas a Acidentes com Andarilhos realizado durante ano 2004.

O estudo, promovido pela Associação para a Segurança Infantil (APSI) e pela Unidade de Vigilância Pediátrica, reforça as conclusões de um outro estudo, do Observatório Nacional de Saúde, que aponta para cerca de 650 casos de acidentes com andarilhos por ano atendidos nos hospitais portugueses. Somam-se a estes os casos em que a criança é levada a outros serviços de urgência, aos centros de saúde ou em que a criança é tratada no infantário ou em casa.

As idades mais afetadas situam-se entre os 7 e os 15 meses de idade. A maioria dos casos (75%-96%) corresponde a quedas em escadas e mais de 60% das crianças acidentadas sofreram traumatismos cranianos.

A mobilidade e velocidade excessiva das crianças enquanto utilizadoras de andarilhos tornam este produto muito perigoso, devendo ser desencorajada a sua utilização. A velocidade de uma criança no interior de um daqueles aparelhos é de cerca de um metro por segundo, movendo-se de divisão em divisão sem qualquer controlo. A rapidez com que se desloca não permite aos pais, na maior parte dos casos, reagir a tempo de impedirem um acidente. Em mais de 50% dos acidentes com andarilhos há um adulto por perto.

Quedas das escadas ou tropeções em desníveis fazem o andarilho virar-se, levando o bebé a bater com a cara ou com a cabeça no chão originando traumatismos cranianos, fraturas dos membros superiores e inferiores, cortes na língua e lábios e fraturas nos primeiros dentes, entre outros. A alta incidência de lesões no crânio e na face explica-se pelo facto de os bebés terem uma cabeça proporcionalmente muito grande e pesada e, por outro lado, terem os pés presos quando estão no andarilho.

No andarilho a criança fica mais alta, chegando mais depressa aos objetos com os riscos inerentes e começando a puxar as toalhas e alcançando objetos que queimam ou cortam.

Uma das ideias de muitos pais é a de que o andarilho permite que a criança aprenda a andar mais cedo e com maior facilidade. Na verdade, não poderiam estar mais enganados! Segundo a Academia Americana de Pediatria e a Academia Americana de Medicina Familiar, as crianças que usam andarilhos têm mais dificuldade em gatinhar e andar do que as que nunca os utilizaram.

O andarilho não ajuda a criança a caminhar mais cedo, sendo mesmo desadequado ao desenvolvimento da capacidade de marcha. O facto de a criança ficar em pé nos andarilhos impede-a de rolar, sentar ou gatinhar que são as bases para a aquisição da marcha. Além disso, como o bebé anda na ponta dos pés, causa tensão nos músculos das pernas atrasando o desenvolvimento e levando a posições pouco naturais.

O Canadá foi o primeiro país a legislar a proibição da venda de andarilhos, em abril de 2004. Em Portugal, a recomendação surge até no Boletim de Saúde Infantil e Juvenil: "Os andarilhos provocam muitos acidentes: quedas, entalões, queimaduras, pancadas na cabeça, e não ajudam a andar, pelo contrário, podem atrasar."

Não deixe o seu filho andar de andarilho! Na prevenção é que está o ganho!

Liliana Pinheiro, com a colaboração de Carla Sá, pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de São Marcos em Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.