PEDIATRIA

Dor testicular (escroto agudo)

A dor testicular é motivo para uma ida imediata ao Serviço de Urgência mais próximo. As causas podem variar de problemas simples, sem complicações, até à torção testicular, uma emergência cirúrgica que deve ser tratada nas primeiras seis horas de dor.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A dor testicular é motivo para uma ida imediata ao Serviço de Urgência mais próximo. As causas podem variar de problemas simples, sem complicações, até à torção testicular, uma emergência cirúrgica que deve ser tratada nas primeiras seis horas de dor.

Quais são as causas da dor testicular?
A situação mais grave é a torção testicular. Entre outras causas também frequentes de dor estão patologias facilmente tratáveis e com taxa de complicações reduzida, tais como: epididimite (inflamação do epidídimo), orquite (inflamação do testículo), hérnia inguinal encarcerada, edema escrotal idiopático (causa desconhecida) ou torção de uma hidátide testicular (de Morgagni).

O tumor testicular habitualmente manifesta-se como uma massa não dolorosa.

Num Serviço de Urgência, o mais importante é excluir torção testicular, uma vez que a possibilidade de salvar o testículo reduz drasticamente com o passar das horas.

O que é a torção testicular?
A torção testicular representa a torção do cordão espermático.

Os testículos são as gónadas sexuais masculinas: produzem espermatozoides (as células responsáveis pela fecundação) e hormonas sexuais masculinas (testosterona), que controlam o desenvolvimento de características sexuais masculinas tais como o crescimento dos órgãos sexuais, pelos, barba, desenvolvimento muscular e dos ossos e aparecimento de voz grave.

Cada testículo está envolvido numa espécie de "bolsa de pele" - o escroto - comunicando com o restante sistema reprodutor pelo cordão espermático, uma estrutura constituída por vasos sanguíneos, nervos, músculos e canal deferente (por onde são transportados os espermatozoides). Se este cordão torcer, a corrente sanguínea para o testículo é interrompida. Sem sangue, as células no testículo morrem. Esta destruição pode tornar-se irreversível a partir das 4-6 horas.

É comum acontecer? Quais são as idades mais frequentes?
A torção testicular representa um terço de todos os casos de dor e edema testicular.

É mais comum em duas faixas etárias diferentes: ao nascimento e durante a adolescência, mas pode acontecer em qualquer idade.

Quais são os sintomas?
No recém-nascido, nem sempre é fácil diagnosticar, pois os sinais e sintomas podem ser frustes. Deve suspeitar-se se o escroto ficar vermelho e aumentar de volume. Nos mais velhos, para além destes sinais, há também queixas de dor testicular intensa e súbita, dor abdominal e podem ocorrer náuseas e vómitos.

Pode haver ou não história de traumatismo prévio, bem como pode haver história anterior de episódios semelhantes (metade dos rapazes com torção testicular tiveram episódios anteriores de dor testicular). Também o diagnóstico anterior de orquiepididimite não exclui a hipótese de torção pois esta pode desenvolver-se em consequência do processo inflamatório.

Como se faz o diagnóstico?
A dor testicular é motivo para uma ida imediata ao Serviço de Urgência mais próximo. Só um médico pode excluir ou tratar esta situação.
A história clínica e o exame físico são o mais importante para a orientação diagnóstica; a ecografia com estudo Doppler (avalia fluxo sanguíneo) é um exame auxiliar útil no diagnóstico diferencial com outras patologias; no entanto, na impossibilidade de a fazer de imediato, não se deve atrasar a cirurgia, sendo preferível uma intervenção "branca" a deixar passar um diagnóstico de torção.

A história de início súbito de dor testicular intensa, acompanhada ou não por vómitos e alteração do estado geral, é sugestiva de torção testicular.

Nos processos inflamatórios locais, como orquite ou epididimite, a dor costuma ter um início mais insidioso, com uma instalação menos aparatosa, por vezes acompanhada de ardor ao urinar, urinar às pinguinhas e mais vezes e febre (sintomas semelhantes aos da infecção urinária).

Qual é o risco?
A necrose testicular (perda irreversível da irrigação sanguínea) pode começar a instalar-se seis horas após a torção do cordão espermático, com compromisso da produção de espermatozoides; após 12 horas, há risco também de compromisso da função endócrina do testículo (produção de testosterona).

A possibilidade de necrose aumenta de forma significativa com o tempo. Nenhum exame auxiliar de diagnóstico deve atrasar o seu tratamento cirúrgico, por isso, a ecografia com Doppler está indicada quando existe forte suspeita de não se tratar de torção.

Como se trata?
A exploração cirúrgica é obrigatória e deve ser imediata, em todos os casos de torção testicular e também naqueles em que há dúvidas no diagnóstico.

Se o cirurgião determinar que o testículo é viável, o cordão será destorcido e o testículo será fixado de forma a impedir que volte a torcer.

Se se demonstrar que não há viabilidade, o testículo será removido e, durante a cirurgia, o outro testículo será fixado para impedir torção desse lado.

A torção testicular é uma emergência cirúrgica e necessita de avaliação imediata. Pode destruir o testículo se não for tratada a tempo e, por isso, se o seu filho tem dor testicular, deve levá-lo imediatamente ao Serviço de Urgência mais próximo.

Ângela Pereira, com a colaboração do Prof. Doutor Jorge Correia-Pinto, Cirurgião Pediátrico, Serviço de Pediatria e Cirurgia Pediátrica do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.