PEDIATRIA

Aleitamento materno: como enfrentar os obstáculos?

A altura em que as mães se sentem mais inseguras, cansadas e com maior instabilidade emocional coincide com as primeiras semanas de amamentação. Se lhes for fornecida a informação correta e se seguirem as orientações e se mantiverem calmas, ficarão mais confiantes durante a amamentação.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Durante as primeiras semanas de amamentação, as mães sentem-se mais inseguras, cansadas e com maior instabilidade emocional. Todos estes fatores podem contribuir para o insucesso da amamentação se a mãe não souber como proceder perante estas dificuldades. Se lhe for fornecida a informação correta e se a mãe seguir as orientações e se mantiver calma, ficará mais confiante durante a amamentação.

Muitos destes problemas poderão ser evitados se, durante a amamentação, a mãe colocar o bebé em diferentes posições e verificar que este faz uma boa pega.

Sinais de boa pega:
  • O lábio inferior do bebé está posicionado por debaixo do mamilo e encontra-se virado para fora;
  • O queixo do bebé toca na mama;
  • A boca do bebé apanha a maior parte da auréola e o mamilo constitui apenas 1/3 do bico: o bebé mama na auréola e não no mamilo;
  • Deve-se ver mais auréola acima do que abaixo da boca do bebé;
  • O bebé apresenta bochechas arredondadas, verificando-se o movimento do lóbulo da orelha.
A subida do leite e o ingurgitamento mamário
Logo após o nascimento e até ao quinto dia após o parto, o leite, designado por colostro, é amarelo e espesso e contém, entre outros constituintes, anticorpos maternos, que protegem o bebé contra infeções e ajudam a eliminar o mecónio.

Quando o leite sobe, entre o segundo e o quinto dia após o parto, as mamas ficam mais pesadas, duras e quentes, causando desconforto para a mãe. A subida do leite ocorre porque ainda não foi criado, na mama, um equilíbrio entre a quantidade de leite que produz e a que necessita produzir, pelo que compensa com excesso. Nos dias seguintes, o processo tende a normalizar, e as mamas produzem a quantidade de leite de que o bebé necessita. Outras causas do ingurgitamento mamário são o início tardio da amamentação, as mamadas infrequentes, a restrição na duração e frequência das mamadas ou a sucção ineficaz.

Para evitar o ingurgitamento mamário, a mãe deve dar de mamar com frequência ou retirar o leite, manualmente ou com a bomba. Se o leite não é removido em quantidade suficiente, as mamas podem ficar mais ingurgitadas, sendo mais difícil o bebé pegar, o que cria um ciclo vicioso com aumento do ingurgitamento causando dor e desconforto à mãe e por vezes contribuindo para que desista do aleitamento materno.

Para prevenir o ingurgitamento
  • Dar de mamar em horário livre;
  • Colocar o bebé em posição correta e verificar os sinais de boa pega;
  • Usar roupas confortáveis e soutien próprio para a amamentação.
Para tratar o ingurgitamento
  • Retirar o leite da mama (de preferência através da expressão manual para não estimular a produção de mais leite, ou à bomba) até que as mamas fiquem menos ingurgitadas, o que se torna mais fácil para o bebé pegar mais eficazmente, quebrando o ciclo vicioso;
  • Estimular o reflexo de "ocitocina" ou de ejeção, através do relaxamento materno - massagem do pescoço e costas da mãe - olhar e tocar o bebé;
  • Aplicar compressas quentes antes ou durante a extração do leite, para tornar o leite mais fluido;
  • Colocar compressas frias após a mamada, para reduzir o edema e assim aliviar a dor, e cerca de duas horas após a mamada, para reduzir a produção de leite.
Bloqueio dos ductos
Acontece quando os canais que drenam o leite para o mamilo ficam obstruídos. Isto traduz-se por um nódulo avermelhado e doloroso numa porção da mama, associado a calor e rubor, sem febre. As causas são o uso de roupas apertadas, pequenos traumatismos ou o facto de o bebé não realizar uma boa pega nessa porção da mama.

Para prevenir bloqueio dos ductos
  • Usar soutien próprio para a amamentação e roupas largas ;
  • Amamentar em posições diferentes, de forma a esvaziar todas as partes da mama.
Para tratar bloqueio dos ductos
  • Colocar o queixo do bebé virado para a área afetada;
  • Aplicar calor (compressas quentes) e massagem local antes e durante a mamada;
  • Oferecer mamadas frequentes.
Mamilos gretados ou dolorosos
Muitas vezes surgem gretas ou fissuras nos mamilos, o que torna o aleitamento doloroso e pode levar a mãe a amamentar durante menos tempo e com menor frequência. Por vezes, os bebés deglutem sangue materno das fissuras, que pode resultar em sangue nas fezes e causar grande ansiedade na mãe.
As causas mais comuns para esta situação são uma pega incorreta e a maceração do mamilo.

Para prevenir os mamilos dolorosos ou gretados

  • Colocar o bebé em posição correta;
  • Verificar os sinais de boa pega;
  • Lavar os mamilos unicamente uma vez por dia (evitar a maceração), não utilizando sabões, ou produtos secantes dos mamilos;
  • Evitar interromper a mamada ou então colocar um dedo suavemente na boca do bebé de modo a interromper a sucção;
  • Aplicar uma gota de leite no mamilo e auréola, após o banho e cada mamada;
  • Amamentar em "horário livre".
Para tratar os mamilos dolorosos ou gretados
  • Iniciar a amamentação pelo mamilo menos doloroso;
  • Colocar o bebé em diferentes posições para mamar;
  • Aplicar uma gota de leite no mamilo e auréola, após cada mamada e após o banho (facilita a cicatrização);
  • Expor os mamilos aos ar sempre que possível no intervalo das mamadas;
  • Não usar discos de proteção, mas sim copas protetoras de mamilos;
  • Se necessário, e até que o mamilo melhore, deve dar-se leite ao bebé de copo ou tetina.
Mamilos planos e invertidos
Ao contrário do que pensam muitas mulheres, um mamilo plano ou invertido não constitui uma barreira à amamentação, dado que apenas corresponde a 1/3 da porção da mama que o bebé deve introduzir na boca.

É importante, nestes casos, evitar o uso de tetinas ou chupetas (para evitar que o bebé tenha dificuldade em reconhecer o mamilo da mãe) e colocar o bebé ao peito logo após o nascimento.

É fundamental evitar o ingurgitamento uma vez que isto torna o mamilo menos saliente. Por vezes, é benéfico retirar uma porção de leite antes de cada mamada. Até ao estabelecimento da lactação, se necessário, a administração de leite deve ser feita por copo.

Mastite
Uma mastite é uma infeção do tecido mamário. Manifesta-se como uma mama ou área da mama dura, vermelha, tensa e dolorosa associada a febre alta e mal-estar. Ocorre em 1 a 3% das mães que amamentam.

Causas de mastite
  • Ducto bloqueado;
  • Ingurgitamento mamário grave;
  • Fissuras (porta de entrada para bactérias - Staphlococus aureus.
Como tratar a mastite
  • Aplicar o mesmo tratamento do ingurgitamento mamário;
  • Colocar o bebé à mama apontando a mandíbula para a zona afetada;
  • Repouso materno;
  • Antibioticoterapia se necessário;
  • Analgésicos.
Não se esqueça...
Faça uma alimentação variada e equilibrada
Evite as bebidas alcoólicas e o tabaco.

E... fale com o seu bebé enquanto o amamenta, pois, para além do leite, ele precisa de amor!

Nicole Silva, com a colaboração de Almerinda Pereira, neonatologista, diretora do Serviço de Pediatria do Hospital de São Marcos, Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.