PSICOLOGIA

Soluções rápidas

Seria estranho que, num mundo em que tudo tem de ser para ontem, não se vivesse à procura de soluções rápidas. Espreitemos o que se passa nas escolas…. As crianças não aprendem ao ritmo esperado, não param quietas, não se concentram, não respeitam os adultos: qual a solução atual? Ir ao médico. O número de crianças com as “doenças” acima referidas parece ter aumentado exponencialmente e a ida ao médico parece ser cada vez mais a solução encontrada.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
"Se tempo é dinheiro,
Eu vou gastá-lo contigo,
Até porque tempo é tudo o que tenho p´ra te dar
E eu acho que o mundo inteiro, concorda comigo (…)”



A letra desta música dos Agir constituiu um corte com a realidade atual, sobretudo em famílias em cujo ciclo de vida estão integradas crianças em idade escolar. O que menos temos é tempo para dar. A correria começa com o toque do despertador, pois é preciso ir trabalhar e na escola as crianças deixar. A chegada a casa após um dia de trabalho também não implica paragem, salvo em véspera de fim de semana, porque a ditadura do relógio não termina e a hora de dormir chega de uma forma assustadoramente rápida.

Seria estranho que, num mundo em que tudo tem de ser para ontem, não se vivesse à procura de soluções rápidas. Espreitemos o que se passa nas escolas…. As crianças não aprendem ao ritmo esperado, não param quietas, não se concentram, não respeitam os adultos: qual a solução atual? Ir ao médico. O número de crianças com as “doenças” acima referidas parece ter aumentado exponencialmente e a ida ao médico parece ser cada vez mais a solução encontrada. Uma vez que ninguém consegue resolver rapidamente os problemas referidos, o melhor é ir rapidamente ao local onde os químicos, habitualmente o Rubifen, a Ritalina ou o Concerta, poderão ajudar, ajudar e rápido.

Para muitos adultos, o problema das crianças só pode estar no cérebro ou em alguma disfunção bioquímica. Colocar hipóteses alternativas - como metas desajustadas, falta de estudo, escassez de regras, privação de sono e carência de tempo para amadurecer -, frequentemente não ocorre. Vivemos num tempo em que não há tempo para procurar os motivos, pois o mais importante é encontrar rapidamente soluções e, claro, soluções que não obriguem a repensar as rotinas já instaladas. A solução “médico” foi precedida da solução “psicólogo”, mas esta última parece ter caído um pouco em descrédito, porque não é compatível com a pressa atual e, por vezes, coloca desafios de mudança, sobretudo ao nível do micro (por exemplo, família, escola, relação entre colegas e amigos) e do mesossistema (por exemplo, relação família – escola, família – grupo de amigos), o que torna a mudança mais complexa e não tão imediata. De qualquer forma, continuam a chegar à escola relatórios de psicólogos, que relatam os resultados a que chegaram mediante a aplicação de um ou vários testes estandardizados. Percebe-se, pelo conteúdo dos mesmos, que houve pouco tempo para conhecer a criança e que a aplicação de testes vem de encontro ao pedido dos pais, que sentem desesperadamente necessidade de levar algo para a escola que mostre que são preocupados e que o problema da sua criança está em algum défice que ela apresenta e relativamente ao qual não têm responsabilidade direta.

Curiosamente, quer os relatórios médicos quer os psicológicos apresentam habitualmente como solução para os problemas, medidas de âmbito pedagógico e sugerem frequentemente a integração no “milagroso” Decreto n.º 3/2008, de 7 de janeiro. Ou seja, os profissionais de saúde remetem para a escola o que claramente é de âmbito escolar e não médico, embora muitas vezes sugiram um “remédio” também “milagroso”, a rotulagem da criança como tendo “necessidades educativas especiais”. Note-se que, muitas vezes, são os professores que aconselham os pais a recorrerem aos médicos, porque também eles são alvos de muita pressão para que as crianças aprendam e aprendam rápido. O relatório, ao atestar um qualquer défice, vem assim demonstrar que o problema não está nos adultos, mas sim na criança e no tal défice que apresenta, tendo, por isso, de ser alvo da prescrição médica, normalmente de psicoestimulantes, a que já fiz referência atrás.

Apesar de algumas crianças serem, sem dúvida, por vezes, verdadeiramente insuportáveis, elas são o elo mais fraco e os adultos procuram diminuir as suas angústias deixando-se manipular por soluções imediatas e por uma indústria farmacológica poderosa. Sabia os psicoestimulantes já esgotaram nas farmácias portuguesas?

Fonte: Público
Adriana CamposLicenciada em Psicologia pela Universidade do Porto, na área da Consulta Psicológica de Jovens e Adultos e mestre em Psicologia Escolar. Detentora da especialidade em Psicologia da Educação e das especialidades avançadas em Necessidades Educativas Especiais e Psicologia Vocacional e de Desenvolvimento da Carreira atribuída pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. Atualmente desenvolve a sua atividade profissional no Agrupamento de Escolas do padrão da Légua em Matosinhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.