Uma escola 100% HighScope

Experimentar. Pensar. Aprender. Bastam três palavras-chave para entender o modelo HighScope. A quem quer ver como funciona, Margarida Silveira Rodrigues abre as portas da escola que dirige e fala acerca da sua visão sobre o estado da educação em Portugal.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
As férias também chegaram à Escola Raiz, em Lisboa. Por isso, as visitas vão ficar adiadas até ao início do ano letivo. Mas uma coisa é certa, garante Margarida Silveira Rodrigues, diretora da escola, “quem quiser trabalhar com o HighScope só aqui pode ver uma implementação do modelo a 100%”.

Da creche até ao 2.º ciclo, a escola assume-se como um estabelecimento de ensino diferente. As portas abrem-se a todos os alunos, sejam de risco ou com necessidades educativas especiais. As salas recebem crianças dos 4 meses aos 12 anos de idade, e em todos os níveis de ensino se valoriza o fazer.

Criado em 1962 nos Estados Unidos da América, por David Weikart, então administrador das Escolas Públicas de Ypsilanti, no Michigan, o HighScope é um modelo de aprendizagem ativa. Parte do princípio que as crianças aprendem fazendo. Significa que constroem o seu próprio conhecimento a partir de diferentes interações, não apenas com os materiais colocados à sua disposição, mas também com as outras crianças e os adultos que as rodeiam.

O currículo HighScope pode ser aplicado até ao 12.º ano, garante Margarida Rodrigues. Na Escola Raiz é aplicado da creche ao 6.º ano. Apesar do potencial, a diretora reconhece que no país “o modelo ganha uma expressão muito maior na primeira infância”, sobretudo porque dá ao educador “segurança perante uma série de dados” relativos à sua prática, nomeadamente, por exemplo, ao modo como organiza o espaço, ao tipo de interações, às rotinas e à avaliação.

Aplicado no pré-escolar, “permite ao educador não ter de construir o barco, mas entrar nele e navegar”, diz Margarida Rodrigues. É ela quem também preside à Associação HighScope Portugal, responsável pela promoção deste modelo de aprendizagem. Entre as vantagens da sua aplicação, a diretora da Escola Raiz destaca o papel na prevenção e na resolução de conflitos, e esclarece: “Tentamos que a criança se sinta parte da solução do problema.”

Neste momento, adianta a presidente, a Associação HighScope Portugal está a dar os primeiros passos para conseguir uma aplicação do modelo noutras escolas, tanto ao nível do ensino básico como do secundário, sejam de cariz público ou privado.

A Escola Raiz é privada. No entanto, Margarida Rodrigues garante que é possível aplicar o HighScope no ensino público. “A implementação tem muito mais a ver com o interesse do próprio professor em começar a trabalhar com este currículo”, assegura, sem, no entanto, esconder a vontade da Associação em ver as próprias escolas, “enquanto instituições”, a aderirem a esta forma diferente de ensinar, e não apenas os educadores e os professores a título individual.

A este nível, a Escola Raiz funciona também como Centro HighScope de formação certificada, dirigida a professores, educadores e diretores de escola. A todos os formandos é dada a oportunidade não só de observar como também de fazer estágios. O objetivo é aprender pela experiência como realizar o modelo para depois o pôr em prática.

Margarida Rodrigues confessa ao EDUCARE.PT não esperar grandes reformas no sistema de ensino. Pelo menos, daquelas que seriam “mesmo necessárias nos próximos tempos”. A presidente da Associação HighScope Portugal diz ainda que os professores estão motivados, mas impossibilitados de fazer mudanças.

EDUCARE.PT (E): Mudar o sistema educativo depende da vontade dos professores?
Margarida Silveira Rodrigues (MSR):
Os professores procuram a mudança. Continuam muito motivados e interessados em que ela aconteça. Mas não a conseguem fazer. Não é possível mudar nada, sobretudo do 1.º ciclo em diante. Porque não há enfase naquilo que é central na educação, que são as interações. Não há qualquer investimento no modo como é trabalhado o conhecimento. O investimento é feito nos programas, nos exames e, quando muito, no espaço. Enquanto não se investir noutras áreas, os professores estão atentamente à espera.

E: O que está a atrasar esta mudança?
MSR:
O nosso país não está para mudar porque a política educativa não o permite. Já vários Governos passaram e tudo permanece na mesma. Vê-se de vez em quando pequenos movimentos. Mas é preciso um enorme investimento na formação e uma enorme mudança na mentalidade de quem dirige. Como isso ainda não aconteceu e os rankings ainda dominam o nosso país… 

E: É contra ou a favor dos exames nacionais no 4.º e no 6.º anos?
MSR:
É um erro crasso que se está a cometer. Como psicóloga temo o impacto da pressão a que estas crianças são sujeitas. Há casos de alunos que bloqueiam no exame e têm de repetir o ano, o que é uma coisa estrondosa nestas idades. Ainda mais quando estes exames são realizados em maio e obrigam a que se terminem os programas em abril. Isto não faz sentido. É tudo feito à pressa.

Depois, sabe-se que crianças que treinam os mesmos exames vezes sem fim têm uma probabilidade de sucesso maior do que as que não o fazem, mesmo que estas tenham os conhecimentos muito mais estruturados. O que significa que próprio ensino se está a transformar num treino formatado para a realização dos exames. E não há nada que comprove que um bom resultado nos exames seja o prognóstico de um bom aluno no futuro ou de um bom profissional.

E: O exame avalia os conhecimentos do presente.
MSR:
O elemento fundamental destes exames não é procurar perceber o que as crianças sabem; é ver em quantas cascas de banana eles conseguem não escorregar. E isto cria uma frustração enorme às crianças que sabem a matéria e, de repente, caem numa rasteira, o que não é nada adequado.

E: Defende um ensino criativo. Onde anda a criatividade no sistema educativo?
MSR:
Não existe. A criatividade está confinada à primeira infância, nos poucos sítios onde permitem que ela aconteça. Não há um desenvolvimento das chamadas soft skills, toda a parte da inteligência emocional que é fundamental. Hoje em dia, as empresas escolhem os seus profissionais com esta base. E os portugueses são de tal forma competentes que no estrangeiro têm um desempenho excecional. Mas em Portugal não é possível dar desenvolvimento a todas estas competências [como se deveria] logo no 1.º ciclo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Acreditar é meio caminho
Ana Caixaria
Quero felicitar a Escola Raiz pelo trabalho que já faz e pela formação que presta de forma atenta e personalizada. Mas acredito que, ainda que não seja linear que a grande mudança está ao alcance de todos, é importante acreditarmos juntos que a mudança profunda do nosso sistema de ensino -ha tanto aguardada- está prestes a acontecer e se todos já estivermos preparados para a abraçar, seremos um motor e não uma carruagem em todo o processo. Por isso, o meu apelo é que continuemos a acreditar que a mudança está a caminho e certamente que vamos encontrar as pessoas e as circunstâncias necessarias para termos um sistema de ensino publico exemplar. O essencial já temos, e isso são as criancas e jovens cheios de potencialidades e os professores com vontade e consciência. Obrigada pelo muito que já fazem.
20-08-2015
É fácil falar ...
HJ
É de lamentar que a Escola Raíz se queira assumir como a única escola 100% High/Scope, em Portugal
Trata-se, obviamente, de uma estratégia de marketing comercial.
Se estão tão seguros do que fazem, há tantos a venderem essa ideia, porque razão não deixam entrar nenhum investigador para estudar o modelo em ação?
Se o impementam bem, não deveriam ter receios.
Se o modelo é tão bom, vibrariam com a sua disseminação.
Mas, a verdade é que não é assim.
A entrevistada não autoriza a entrada de investigadores. Quer manter a Escola Raíz marketizável. Também é legítimo ...
21-08-2015
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.