PS congratula-se com recomendações do CNE

A deputada do PS Odete João congratulou-se hoje com as recomendações do CNE, tornadas públicas na segunda-feira, considerando serem a prova do “falhanço das políticas públicas” do ministro Nuno Crato.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
"Demonstra de forma clara que há uma associação entre as reprovações e a introdução dos exames, nomeadamente no 4.º e 6.º anos de escolaridade. Esta situação para a qual o PS sempre chamou a atenção demonstra o falhanço das políticas públicas de Nuno Crato, ao colocar o foco na avaliação e não no essencial - a qualidade da aprendizagem e condições para ela", afirmou, no Parlamento.

O presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), David Justino, defendeu na segunda-feira que as elevadas taxas de retenção de alunos ("chumbos") são "o problema mais grave do sistema educativo", desejando que o mesmo ocupe a agenda dos partidos e das políticas.

"O conjunto de recomendações vão no sentido de aumentar a autonomia das escolas e dos professores, procurando respostas para o percurso educativo dos alunos", continuou Odete João, acrescentando ser "absolutamente imprescindível que os professores sejam aliviados das suas cargas burocráticas e tenham tempo para se dedicar aos alunos", ao contrário das "políticas seguidas, que vão no caminho do insucesso e do abandono escolares".

Justino referiu que o fenómeno dos "chumbos" envolve cerca de 150 mil alunos no sistema de ensino (público e privado), com um custo de cerca de 600 milhões de euros, se se admitir que cada aluno custa ao Estado cerca de quatro mil euros por ano.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.