Covid-19: Alunos do secundário tiveram 92 dias de aulas online

Os alunos do Ensino Secundário em Portugal tiveram mais aulas à distância devido à pandemia de covid-19 do que a média dos estudantes da OCDE, com as escolas encerradas 92 dias.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Excluindo feriados e fins de semana, as escolas secundárias em Portugal estiveram durante 92 dias de portas fechadas desde o início do ano passado, revela o relatório “Education at a Glance 2021”, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que na edição deste ano analisa o impacto da covid-19 na educação dos 37 países da OCDE. Em Portugal, o encerramento das escolas começou em meados de março de 2020, poucos dias depois de ter sido conhecido o primeiro caso positivo de infeção no norte do país. Ainda no final desse mesmo ano letivo, os estudantes do 11.º e 12.º anos foram os únicos a regressar às salas de aula para se poderem preparar para os exames nacionais. 

Feitas as contas, os alunos portugueses tiveram as escolas encerradas menos nove dias do que a média da OCDE.

O objetivo de fechar as escolas era controlar a transmissão do vírus e os números mostram que os dias de encerramento aumentaram conforme se avança no nível de educação. Isto porque, já em 2021, pouco depois das férias do Natal, os alunos voltaram a ficar em casa, tendo o seu regresso sido feito de forma faseada: primeiro foi a vez das crianças das creches e do 1.º ciclo, a 15 de março, e só depois os alunos do 2.º e 3.º ciclo, a 05 de abril. Os alunos do secundário foram os últimos a reencontrar os colegas dentro das escolas.

Para compensar os dias sem aulas e as fragilidades do ensino a distância, o Ministério da Educação decidiu prolongar o fim do ano letivo.

O relatório da OCDE aponta os alunos portugueses do 3.º ciclo (do 7.º ao 9.º ano) como aqueles que ficaram mais tempo sem entrar na escola: 97 dias. Foram mais cinco dias do que a média dos países da OCDE.

Entre 01 de janeiro de 2020 e 20 de maio de 2021, as pré-primárias estiveram totalmente encerradas durante 69 dias, enquanto as escolas do 1.º e 2.º ciclo se mantiveram fechadas durante 87 dias.

As famílias portuguesas tiveram as crianças do pré-escolar mais seis dias em casa e os alunos até ao 6.º ano mais nove dias do que a média da OCDE. Apesar de a grande maioria dos alunos permanecer em casa, com aulas online, a tutela decidiu manter alguns estabelecimentos de ensino abertos.

Começaram por receber os filhos de profissionais considerados essenciais no combate à pandemia e garantir refeições aos alunos mais carenciados mas, numa segunda fase, passaram também a receber os alunos de risco.

Quando começou o primeiro confinamento, uma elevada percentagem de alunos não tinha equipamentos para se ligar à escola e Portugal surge agora no relatório como um dos 22 países que distribuiu computadores pelos estudantes e entre os 29 países que lançou medidas para incentivar os alunos desfavorecidos ou vulneráveis a regressar à escola. Outro dos efeitos temidos da pandemia era o aumento do desemprego, em especial entre aqueles que têm menos formação. Em Portugal, a taxa de desemprego dos jovens entre os 25 e os 34 anos sem Ensino Secundário subiu dois pontos percentuais entre 2019 e 2020, chegando aos 10,9%.

Também diminuiu a procura de formação ou estágios por parte dos adultos entre 2019 e 2020, assim como aumentou a proporção de jovens entre os 18 e os 24 anos que não estudam nem trabalham (subiu de 12,9% para 14,5%).

O "Education at a Glance" é um relatório anual da OCDE, considerado uma das mais relevantes fontes de informação internacional sobre o estado da Educação no mundo.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.