Ministério da Educação vai reforçar sanções por inflação de notas

O Ministério da Educação vai rever e reforçar o quadro sancionatório a aplicar nos casos relacionados com irregularidades na atribuição de notas aos alunos, revelou hoje o ministro Tiago Brandão Rodrigues.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“Vamos proceder à revisão e ao reforço do quadro sancionatório no sentido de preservar e garantir cada vez mais este princípio de igualdade”, disse o ministro da Educação, que está a ser ouvido em audição regimental pela comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto.

Tiago Brandão Rodrigues referia-se às situações em que seja detetada nas escolas a prática de inflação de notas, que motivou nos últimos anos, segundo o governante, "centenas de auditorias” por parte da Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC), tendo sido instaurados mais de 65 processos disciplinares e aplicadas “largas dezenas de sanções disciplinares”.

“A ambição de todos os alunos e docentes que ensinam e aprendem é que possam ser avaliados com o princípio da igualdade como azimute”, sublinhou o ministro.

Em maio, o Ministério da Educação já tinha adiantado que nos últimos dois anos, o IGEC instaurou 66 processos disciplinares relacionados com irregularidades na atribuição de notas aos alunos, tendo aplicado 64 sanções a escolas, desde repreensões escritas à suspensão de funções.

“Depois de tudo o que temos impulsionado neste sentido, continuaremos a trabalhar firmemente para existir uma avaliação justa e equitativa”, acrescentou agora Tiago Brandão Rodrigues.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.