“A relação aluno-professor é o fator mais importante na equação da aprendizagem”

Gordon Neufeld é psicólogo clínico em Vancouver, Canadá, especialista em desenvolvimento da criança, conhecido pela capacidade de desbloquear soluções para problemas aparentemente complexos. “O seu filho precisa de si” é o seu mais recente livro escrito com Gabor Maté, médico, com vasta experiência em parentalidade e saúde mental.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Gordon Neufeld organiza cursos para pais, educadores e profissionais de apoio de vários países, diferentes continentes. “O seu filho precisa de si” é o livro que acaba de editar escrito com Gabor Maté, autor de bestsellers, médico, especialista em saúde mental e física, parentalidade e dependências. A obra parte de uma constatação estranha e perturbadora. “As crianças estão a desenvolver os valores, a identidade e os códigos de conduta com os colegas em detrimento da família”. A frase está na contracapa.

Neufeld e Maté abordam aquilo a que chamam “orientação pelos pares”, explicam as causas da quebra da influência parental, indicam formas de restabelecer essa ligação, avançam com conselhos e reflexões. “A sociedade de hoje oferece maior contacto com outras crianças e maior separação dos seus pais. Esta combinação é a tempestade perfeita para perder os filhos para os colegas”, refere Gordon Neufeld nesta entrevista ao EDUCARE.PT.

Pais e professores têm um papel essencial na vida das crianças. “O papel dos pais é sobretudo o de fornecer as condições que conduzam à realização do seu potencial como ser humano. O papel do professor é sobretudo preparar a criança para assumir um lugar significativo numa sociedade complexa”, sublinha o psicólogo clínico.


EDUCARE.PT (E): Escreve no seu livro que o poder para exercer a parentalidade está a desaparecer. Como e porquê isso acontece? É um sinal dos tempos em que vivemos?
Gordon Neufeld (GN): Não há maior responsabilidade na realização, como adulto, do que educar uma criança no seu potencial como ser humano. As pessoas fazem-no há dezenas de milhares de anos. O que sempre esteve invisível foi o apego da criança aos adultos envolvidos. O desejo de união, em todas as suas formas, é a proeminente motivação de todos os humanos, principalmente das crianças. A cultura direcionou esse impulso para adultos responsáveis pela criança, pois este sempre foi o contexto para criar os filhos, capacitando-os para cumprir as nossas responsabilidades.

Esse contexto para a educação dos filhos está a desaparecer rapidamente, à medida que as culturas que preservaram esse contexto também desaparecem. Dado que esse contexto era invisível, não temos consciência do que está a faltar e pensamos que ainda somos capazes de fazer o que os nossos antepassados fizeram. Quando nos deparamos com dificuldades, pensamos erradamente que o problema está na nossa falta de habilidades parentais e conhecimento.

Tomemos, como exemplo, a diferença habitual do poder dos pais entre um pai biológico, a quem o filho é intensamente ligado, e um padrasto que assume literalmente o papel de pai, mas não tem o apego do filho. Hoje muitos pais sentem-se tão impotentes quanto um padrasto típico, sem saber o que está na raiz do problema.

E: Podemos dizer que os pais já não são pais? O que se passa?
GN: Sim, infelizmente isso é verdade. Aquele a quem a criança está mais apegada é designado, por natureza, como o verdadeiro pai com o poder correspondente para fazer o seu trabalho. O pai designado pela natureza pode até criar um apego fantasioso que a criança nunca conheceu. Os verdadeiros pais, sejam eles pais adotivos, serão rejeitados como verdadeiros pais e tornados impotentes para cumprir as suas responsabilidades.

O livro aborda quando isso acontece porque a criança é orientada pelos seus pares. Quando a criança fica mais ligada aos colegas do que aos pais, os colegas tornam-se os pais naturalmente designados. É claro que as crianças não foram feitas para serem, nem são capazes de ser, responsáveis umas pelas outras – muitas estão deixando de crescer no seu potencial como seres humanos. Mais uma vez, seria responsabilidade cultural preservar os vínculos necessários para que a parentalidade acontecesse. Muitas das sociedades de hoje estão a perder as suas raízes culturais e, com isso, as crianças estão a perder o apego aos adultos.

E: Quais as razões e as causas da perda da influência parental? Estamos a falar de uma quebra de autoridade e disciplina? Estamos a falar de afetos e de amor?
GN: Quando falo do poder dos pais, sim, estou a falar da autoridade natural para influenciar a criança, para impor alguma ordem no seu comportamento, para incutir os nossos valores, para transmitir a nossa cultura, para dar (bem como receber) o seu amor e afeto, para mantê-los próximos e ter a sua atenção.

Todas estas coisas resultam do seu desejo de união connosco, como pais. Portanto, quando os nossos filhos começam a girar em torno dos seus colegas são retirados da órbita dos adultos responsáveis por eles. Eles começam a falar, a agir, a ouvir, a vestir-se, e a comportarem-se como os seus colegas. A sociedade de hoje oferece maior contacto com outras crianças e maior separação dos seus pais. Esta combinação é a tempestade perfeita para perder os filhos para os colegas.

E: A família é uma instituição em crise?
GN: Sim, muito mesmo. O apego é a cola que mantém a família unida, incluindo os cônjuges. Por exemplo, o casamento não funcionaria de forma mais adequada se um dos cônjuges não quisesse mais estar com o outro ou se sentisse “em casa” com o outro? O mesmo é verdade para a família mais ampla. Quando os filhos estão preocupados em estar com os seus colegas, eles não estão mais a gravitar em torno da sua família. E isso coloca a família em perigo. Quando o desejo de união passa, nada é igual – seja comer juntos, trabalhar juntos, ou brincar juntos.

E: De que forma a influência dos amigos e dos pares interfere com o crescimento saudável de uma criança?
GN: Não há nada de errado em ter amigos e interagir com os colegas. Essa não é a preocupação. A preocupação é quando um filho é mais apegado aos seus pares do que aos seus pais, e quando o apego com os seus pares compete com o apego aos seus pais. É o que descrevo no livro como orientação pelos pares. A orientação pelos pares priva as crianças do útero natural em que devem ser criadas. Só quando as crianças experimentam suficientemente as respostas para o que procuram – amor, conexão, união, igualdade, pertença, significado – o verdadeiro crescimento acontece. Quando nós, como pais, fazemos o trabalho de apego, oferecendo calor e generosidade, então a natureza pode começar a transformá-los em seres separados, capazes de se manterem sobre os seus próprios pés.

As crianças não podem dar umas às outras condições necessárias para que ocorra um desenvolvimento saudável. Essa é a nossa responsabilidade, como pais, mas só podemos entregar o amor de que eles precisam quando os seus cordões umbilicais estão ligados a nós.

E: Quais os principais perigos na relação entre pares?
GN: O principal perigo é quando esses relacionamentos competem com o que as crianças realmente precisam – apegos aos adultos responsáveis por elas. Por competição, quero dizer que uma criança não pode estar próxima dos pais e dos amigos ao mesmo tempo. E, por fim, quero dizer não apenas estar com, mas também uma sensação de ser semelhante, de pertença, de ligação emocional. Por exemplo, os apegos à mãe e ao pai competem quando o filho não se consegue sentir próximo de ambos ao mesmo tempo. Quando estar perto de um dos pais faz com se sinta mais distante do outro, então temos um problema.

No casamento, quando o apego competitivo é fora do casamento, isso constitui um “caso”, seja físico ou não. Quando as crianças podem ficar perto dos seus pais e colegas, em simultâneo, elas não correm o risco de serem retiradas da órbita dos seus pais, mas isso está a tornar-se cada vez mais difícil na nossa sociedade. Como tal, os relacionamentos mútuos podem facilmente tornar-se “casos” psicológicos, puxando-os para fora dos apegos dos pais de quem realmente precisam.

E: Emoções e sentimentos, a curiosidade, a imaturidade, e também o bullying, a agressividade. Como tudo isso funciona no processo de crescimento nas relações com os amigos, colegas, pares?
GN: Quando as crianças perdem o apego aos adultos responsáveis por elas, nada funciona emocionalmente bem para elas. As suas necessidades de apego são frustradas, então a frustração e a agressividade aumentam. Ficam obcecadas com o contacto e a proximidade. Quando os seus instintos de apego não estão mais organizados hierarquicamente, de forma a facilitar o cuidado e o cuidado dos outros, os instintos podem ser deslocados. Todos estes fenómenos estão a aumentar entre os nossos filhos e podem ser diretamente atribuídos às crianças que perdem o apego aos adultos responsáveis por elas.

E: Quais são os maiores desafios no processo de educar uma criança? A educação é uma missão para o resto da vida dos pais?
GN: O nosso maior desafio é preservar o apego dos nossos filhos a nós. Se pudermos fazer isso, o resto virá mais facilmente. Precisamos de ter os seus corações antes de influenciar as suas mentes, mesmo na adolescência. Enquanto os nossos filhos precisarem de nós, ou nós quisermos ser uma resposta nas suas vidas, precisamos de cuidar do seu apego por nós. A cultura já não está a fazer isso por nós. E isso não acontece automaticamente. Vivemos numa época em que, infelizmente, cada vez mais precisamos de cuidar desses anexos vitais.

Portanto, o desafio hoje, seja na escola ou na educação dos pais, é cultivar e preservar o contexto no qual podemos cumprir as nossas responsabilidades. Se gastássemos mesmo uma fração do nosso tempo com os professores, a investir na relação aluno-professor, isso seria muito benéfico para a eficácia do nosso ensino.

E: Pais e professores. Como devem ser os seus papéis no complexo crescimento das crianças?
GN: Na nossa sociedade, partilhamos as tarefas de criar os filhos. O papel dos pais é sobretudo o de fornecer as condições que conduzam à realização do seu potencial como ser humano. O papel do professor é sobretudo preparar a criança para assumir um lugar significativo numa sociedade complexa. O cumprimento de ambos os papéis, depende dos vínculos da criança ou aluno com os adultos responsáveis por eles. E devemos ter certeza, como pais e professores, de que esses apegos não competem entre si.

E: “Alunos impossíveis de ensinar” é o título de uma parte do seu livro. É uma frase provocadora?
GN: Todos nós, como professores, temos alunos experientes que são difíceis de ensinar. Além disso, a maioria dos professores que já ensina há algum tempo tem a sensação de que ensinar está cada vez mais difícil. Isso é bastante irónico, uma vez que os professores nunca foram tão bem treinados, os currículos nunca estiveram tão bem definidos, a tecnologia nunca esteve tão avançada. A verdade é que o nosso poder de ensinar reside no apego dos nossos alunos a nós. Portanto, a relação aluno-professor é o fator mais importante na equação da aprendizagem. Muitos sabem disso intuitivamente e esse conhecimento também está disponível cientificamente, mas parece que temos grande dificuldade em implementá-lo nos sistemas de educação. Não é tanto o que um professor faz que faz a diferença para o aluno, mas quem esse professor é para o aluno.

E: Como podem os pais conquistar a relação com as suas crianças? Como restaurar essa conexão natural?
GN: A primeira parte da solução é saber qual é o problema real. Uma vez que percebemos que é uma questão de relacionamento, e fazemos disso uma prioridade, o resto tende a vir muito naturalmente. No livro, falo sobre os rituais culturais de conexão e como aplicá-los à educação dos filhos. Esses são instrumentos poderosos de relacionamento que devem ser o nosso esteio.

Quando precedemos as interações com os nossos filhos, envolvendo os seus instintos de apego, aproveitamos o poder do apego, que inclui o seu desejo de serem bons para nós. Quando se assegura que estabelecemos uma ponte sobre qualquer coisa que possa separá-los de nós, somos capazes de proporcionar-lhes uma sensação de segurança, bem como preservar os seus apegos a nós. Quando os associamos a outros adultos envolvidos nos seus cuidados e instrução, construímos a aldeia de apego de que toda a criança precisa. A boa notícia é que nunca é tarde para cultivar um relacionamento. A chave está em saber que nada poderá ser mais importante do que isso.

E: Como olha para o futuro? Pais e filhos cada vez mais próximos? Pais e filhos cada vez mais afastados?
GN: Será um grande esforço reverter a maré de orientação pelos pares. O problema está a aumentar e há poucos indícios de que as pessoas estão a perceber o que está a acontecer. Os avós estão tão orientados para os seus pares que começam a preferir essa companhia à da sua própria família e netos. Isso não significa que não possamos reverter esse processo nas nossas próprias famílias e salas de aula, mas estaremos a nadar rio acima para fazer isso.

E: “O seu filho precisa de si”, o título do seu livro, é uma evidência para todos os pais. Mas será assim tão simples quanto isso?
GN: Simples não significa fácil. E não significa que um bom relacionamento pai-filho resolverá todos os problemas. Mas não há como lidar com os problemas fora dessa relação de apego, e é por onde devemos começar. O ponto principal é que podemos não ser a resposta para o que os nossos filhos precisam, a menos que eles tenham um relacionamento correto connosco. Então, sim, é tão simples quanto isso.
 

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.