Covid-19: Inclusão no ensino à distância de alunos com dificuldades foi "menos bem conseguida"

Um estudo da Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto concluiu que a inclusão dos alunos com dificuldades, baixos rendimentos e vulnerabilidades no acesso à educação foi “menos bem conseguida” pelos professores durante o ensino à distância.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

O estudo “Educação em Tempos de Exceção”, desenvolvido por investigadores do Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, visava compreender as “transformações enfrentadas pelos docentes” na passagem para o ensino à distância.

“O trabalho recolheu dados sobre como os docentes se adaptaram e transformaram o seu trabalho durante o fecho das escolas”, afirmou hoje, durante a apresentação dos resultados, a investigadora Ana Teixeira.

O estudo, que teve por base um inquérito ‘online’, compila dados de dois momentos distintos: de 01 a 31 de maio de 2020 e de 01 a 17 de março de 2021 (onde participaram 1306 professores).

Segundo Ana Teixeira, a amostra era “maioritariamente constituída por docentes do sexo feminino”, sendo que a média de idades rondou os 50 anos e a média de docência os 25 anos.

O estudo dividiu-se também em diferentes dimensões, tais como, a caracterização pessoal e profissional, competências tecnológicas, efeitos no trabalho e condições prévias para o ensino à distância.

De acordo com a investigadora Sofia Pais, a “perceção dos professores sobre a inclusão, nomeadamente, de alunos com dificuldades de aprendizagem, baixos rendimentos e vulnerabilidades no acesso à educação é que a mesma não foi propriamente bem conseguida” durante o ensino à distância.

“Na perceção de muitos dos docentes participantes, a inclusão dos alunos com determinadas dificuldades ou vulnerabilidades foi globalmente mal conseguida na implementação do modelo de ensino à distância”, lê-se no relatório do estudo.

A par da inclusão, os professores revelaram também que o ensino à distância provocou “algum agravamento do tempo dedicado à preparação das atividades letivas”, salientou Pedro Ferreira, também autor do estudo.

“Há uma série de dimensões que os docentes avaliaram como positivas, mas nota-se um agravamento do tempo, que consideram ter sido penalizado para conseguirem preparar as atividades”, acrescentou o investigador.

Apesar das dificuldades mencionadas, a perceção dos professores relativamente ao ensino à distância foi “globalmente e positivamente surpreendente”, com os mesmos a destacarem os efeitos positivos na relação com os alunos, na relação com os pais, na comunicação com outros colegas e na formação que encontraram para lecionar através de meios digitais.

Na apresentação dos resultados do estudo, Pedro Ferreira salientou que este é “apenas o início” e o “primeiro passo para avançar para uma série de outras investigações”, nomeadamente, as variações entre 2020 e 2021.

“Queremos explorar estatisticamente as diferenças entre 2020 e 2021, analisar o que se passou com grupos específicos [de docentes] e sobre as relações entre as diferentes dimensões analisadas”, referiu o investigador, acrescentando que a intenção é recolher mais dados através de entrevistas com educadores e professores “com experiências, posições e responsabilidades diferentes”.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.