Cimeira Social: Portugal está "na vanguarda da inclusão na educação"

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou hoje que Portugal está na “vanguarda da inclusão na educação”, considerando-a a forma “mais eficaz para combater a pobreza e as desigualdades” e para que “nenhuma criança fique para trás”.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“Portugal é orgulhosamente conhecido como um país que está na vanguarda da inclusão na educação, indo mais além na promulgação de um quadro legal para a inclusão de estudantes com ou sem dificuldades na educação”, vincou o ministro na sessão de encerramento do evento paralelo à Cimeira Social, que decorre esta sexta-feira, no Porto, intitulado “Solidariedade Europeia – Nenhuma Criança deixada para trás”.

Desde 2016, acrescentou, Portugal “aumentou o investimento público na educação e na formação, ano após ano, tendo em vista sobretudo alcançar mais e melhor inclusão, mais equidade e mais sucesso educacional para todos”.

“Fizemos esforços para colocar sempre o estudante no centro do nosso trabalho e no coração das reformas que introduzimos”, frisou.

Apontando para a “promoção da igualdade de acesso” à educação como “uma missão clara” da União Europeia (UE), Tiago Brandão Rodrigues ressalvou que tal objetivo só será concretizado se se “garantir que a igualdade é uma prioridade contínua em todos os contextos escolares”.

Aliás, é “através da educação que se combate mais eficazmente a pobreza e as desigualdades”, defendeu o ministro, alertando para as desigualdades no acesso à educação, que poderão “fazer precisamente o oposto: perpetuar desigualdades e cristalizar a pobreza”.

Mas "as desigualdades não são inevitáveis”, defendeu o governante, apontando para uma “abordagem de educação inclusiva e de qualidade, que coloca os alunos, ao invés dos números, no centro do desenvolvimento educacional”. 

É necessário, para isso, “construir ou renovar e equipar as escolas”, “investir mais” na educação nos sistemas de formação e envidar “todos os recursos para concretizar um único objetivo: criar um ambiente educativo favorável”, considerou.

“A chave para uma educação de sucesso não está no meu escritório, mas em cada escola, em cada sala de aula, em cada estudante e professor. Essa é a chave para garantir que nenhuma criança é deixada para trás”, sublinhou o ministro.


 

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.