Escola da Ponte assina contrato de autonomia

Depois de meses de negociações, a Escola da Ponte assina esta tarde o contrato de autonomia com o Ministério da Educação.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

A Escola Básica Integrada de Aves (Escola da Ponte) assina esta tarde aquele que é o primeiro contrato de autonomia do País para uma escola pública de ensino não-superior.

A assinatura deste contrato com o Ministério da Educação (ME) permite regularizar a situação deste projeto educativo, pioneiro e singular no nosso País. Com a entrada em vigor deste contrato de autonomia, a Escola poderá selecionar livremente e propor à tutela os seus próprios docentes, estabilizando-se assim "a situação de uma escola que durante quase 30 anos esteve à margem do sistema", declarou Ademar Ferreira dos Santos, presidente da comissão instaladora da Escola da Ponte, ao Público.

A partir de agora, o estabelecimento de ensino deixará de estar dependente da autorização da tutela para resolver questões como a gestão do currículo ou a avaliação, passando a estar reconhecidas as competências para organizar o funcionamento da escola.

Ademar Santos espera que este primeiro contrato de autonomia em Portugal sirva de "estímulo para as demais escolas, muito especialmente para todas aquelas que, genuinamente, aspirem a organizar-se e a trabalhar em autonomia, para melhor poderem corresponder às necessidades educativas dos alunos."

A Escola da Ponte desenvolve há 29 anos o projeto educativo "Fazer a Ponte", que procura envolver os pais e a comunidade nas atividades letivas dos alunos. Os alunos trabalham permanentemente em cooperação, ao seu próprio ritmo, de acordo com o seu próprio plano de objetivos, e aprendem a ser autónomos e livres, respeitando a liberdade dos outros.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.