AR ‘chumba’ dedução em IRS das despesas com aquisição e reparação de computadores

O parlamento ‘chumbou’ hoje dois projetos de lei (PAN e CDS-PP) que propunham a dedução em sede de IRS das despesas com aquisição e reparação de computadores utilizados para educação, já este ano.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

A iniciativa do PAN foi rejeitada com votos contra de PS e abstenções de PCP, BE e PEV. Já o projeto do CDS-PP contou com votos contra dos socialistas e abstenções de BE, PCP, PEV e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira. O projeto de lei do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) visava "assegurar que as despesas com a aquisição de computadores utilizados na formação e educação possam ser dedutíveis em sede de IRS, já este ano".

"Paralelamente, e tendo em conta o objetivo de defesa de um modelo de economia sustentável, propomos a dedutibilidade em sede de IRS das despesas com a reparação de computadores, por forma a incentivar o recurso a equipamentos reparados/recondicionados em detrimento da aquisição de novos equipamentos", lê-se no documento, que propunha alterar o código do IRS.

O PAN pretendia também consagrar a dedução de 15% do IVA suportado com a aquisição de computadores mediante a exigência de fatura.

Segundo a iniciativa, ficariam abrangidos "computadores, unidades periféricas e programas informáticos" utilizados na formação e educação dos membros do agregado familiar.

Já o projeto do CDS-PP propunha que, “transitoriamente, enquanto durar a pandemia”, os encargos com equipamentos informáticos (como computadores, ‘tablets’ e impressoras de uso pessoal, incluindo software e aparelhos de terminal) dos agregados com estudantes em qualquer nível de ensino pudessem também ser deduzidos no IRS.

O CDS propunha que estes encargos pudessem ser “como despesas de educação, em 50% do seu valor e até um máximo de 250 euros por membro do agregado” menor de 23 anos que frequente um nível de ensino, “independentemente de se encontrar já esgotado o limite máximo previsto para aquelas deduções”. Para os centristas, esta deveria ser uma medida de “aplicação imediata e excecional” para auxiliar alunos e famílias “de modo a minimizar o incumprimento do Governo quanto ao acesso universal dos alunos dos ensinos básico e secundário à internet e a equipamentos informáticos e assim garantir as condições para o ensino a distância”. No âmbito do debate feito esta tarde no parlamento sobre educação, foram ainda rejeitadas outras iniciativas, nomeadamente dois projetos de resolução do PAN, que recomendavam ao governo a revisão dos programas curriculares na sequência da pausa letiva decretada devido à pandemia, e ainda que o domínio do "bem-estar animal" fosse lecionado obrigatoriamente na disciplina de cidadania e desenvolvimento.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.