COVID-19: Ex-ministro Roberto Carneiro apoia fecho de escolas e defende ensino online

O ex-ministro da Educação Roberto Carneiro considerou hoje que o fecho das escolas foi uma medida positiva, de uma forma geral, e defendeu que o ensino online deve ser melhorado e estar preparado para funcionar em qualquer altura.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“O online está para ficar, não vai desaparecer. Acho importantíssimo que os alunos tenham acesso a equipamentos”, disse à agência Lusa Roberto Carneiro, que, como independente, foi ministro da Educação no XI Governo Constitucional, liderado por Cavaco Silva.

Para Roberto Carneiro, a paragem letiva de 15 dias decidida pelo governo tem consequências negativas para os alunos, mas o critério fundamental para fechar as escolas foi “um critério de saúde”, frisou.

Questionado sobre a opção do governo de não manter as aulas online, afirmou: “Não sei se o ensino está preparado para isso, mas devia estar. Devia estar preparado para ser online em qualquer altura”.

Já o fecho das escolas, observou, reunia “um grande consenso”.

“Eu tenho 19 netos e tenho sentido isso da parte dos meus filhos e dos meus netos, a necessidade de cuidarem sobretudo da saúde”, declarou.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou na quinta-feira novas medidas para conter a pandemia de COVID-19, nomeadamente o encerramento das escolas, a partir de hoje e durante duas semanas.

A pandemia de COVID-19 já provocou pelo menos 2 092 736 mortos resultantes de mais de 97,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9920 pessoas em 609 136 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.