COVID-19: Porto Editora abre à comunidade escolar manuais em formato digital

O Grupo Porto Editora vai disponibilizar o acesso, a toda a comunidade escolar, de todos os manuais em formato digital, que estarão também acessíveis para telemóvel, na sequência do encerramento das escolas devido à pandemia, foi hoje anunciado.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

A medida entra em vigor na sexta-feira e irá beneficiar cerca de 1,5 milhões de alunos e respetivas famílias, e ainda mais de 100 mil professores através da plataforma Escola Virtual, explicou a Porto Editora em comunicado.

“Perante o anúncio do encerramento das escolas, o Grupo Porto Editora decidiu proporcionar a toda a comunidade escolar o acesso a todos os manuais escolares em formato digital e recursos associados disponíveis na plataforma Escola Virtual [www.escolavirtual.pt], com a particularidade de estarem acessíveis também por telemóvel, o que constitui uma novidade exclusiva”, destacou.

O primeiro-ministro António Costa anunciou hoje o encerramento das escolas, que entra em vigor na sexta-feira, após uma reunião do Conselho de Ministros e referiu que se justifica por um "princípio de precaução" por causa do aumento do número de casos da variante mais contagiosa do SARS-CoV-2, que cresceram de cerca de 08% de prevalência na semana passada para cerca de 20% atualmente.

Para o administrador do grupo Porto Editora, Vasco Teixeira, citado no comunicado, a experiência e o conhecimento adquirido no ano passado permite perceber “a importância deste apoio para o trabalho dos professores e dos alunos, nomeadamente em contexto de suspensão letiva”.

E acrescenta que a plataforma Escola Virtual disponibiliza manuais escolares de todas as disciplinas, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade, com conteúdos digitais complementares.

“O objetivo é apoiar a comunidade educativa, que, desde o início do ano letivo, tem enfrentado vários constrangimentos provocados por uma pandemia que afeta o dia a dia dos nossos professores, alunos e famílias”, salientou Vasco Teixeira.

O comunicado destaca ainda que através daquela plataforma os professores poderão continuar a preparar e organizar as aulas, abordar as diferentes matérias, propor exercícios e revisões, trabalhar dificuldades específicas e realizar avaliações.

Esta permite proporcionar também uma comunicação fluída com os alunos, em turma e individualmente, o que inclui, por exemplo, a possibilidade de criar e gerir turmas/grupos, o envio de tarefas, a comunicação síncrona e assíncrona, por mensagens e através de um mural da turma, bem como a partilha de materiais, pode ler-se.

Já os alunos terão acesso aos seus manuais em formato digital e a recursos complementares, podendo estar permanentemente ligados aos seus professores através de ferramentas de comunicação e partilha, num ambiente seguro e circunscrito à comunidade educativa, realça ainda.

Todo o processo será acompanhado e apoiado pela equipa pedagógica da Escola Virtual, acrescenta.

A Escola Virtual é uma plataforma de estudo, de subscrição anual paga, da responsabilidade do Grupo Porto Editora, e que existe desde 2005.

A pandemia de COVID-19 provocou, pelo menos, 2 075 698 mortos resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9686 pessoas dos 595 149 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.




 

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.