COVID-19: Dirigentes escolares preferiam avançar já para ensino 'online'

A Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) defendeu hoje que deveria ter sido já adotada a modalidade de ensino 'online', em vez da suspensão das aulas, numa altura em que os alunos regressaram de férias há duas semanas.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“Todos percebemos que há necessidade de medidas com urgência, que faz todo o sentido parar tudo, mas penso que não faz sentido interromper agora as aulas para depois passarmos para o ensino 'online'”, disse à agência Lusa o presidente da ANDE, Manuel Pereira.

“Fazer uma interrupção letiva neste momento, não acho boa ideia. Faria mais sentido o ensino a distância. Não foi essa a opção do Governo, para nós é estranho”, acrescentou.

Os alunos, referiu, regressaram das férias de natal há 15 dias. “Para eles uma interrupção é mais uma forma de se distanciarem da escola, o que não é bom, e estando sem aulas vão querer sair de casa, o que em termos de controlo da pandemia também não é bom”, observou o dirigente associativo.

Se o prazo de interrupção letiva se prolongar vai avançar o modelo de ensino a distância, considerou.

Relativamente à situação dos meios digitais ao dispor das escolas e dos alunos, Manuel Pereira indicou que é hoje “melhor do que em março de 2020”, mas que ainda faltam entregar computadores prometidos em abril e que continua a haver famílias sem internet.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou a 04 de janeiro um “reforço da Internet” nas várias escolas do país, considerando a aposta na digitalização a “maior operação logística” e uma “verdadeira reforma” do sistema de ensino.

Durante a visita a uma escola no norte do país, o governante disse ainda que além de 100 000 computadores, que já foram distribuídos durante o primeiro período pelos alunos do ensino secundário do escalão A e escalão B da Ação Social, está prevista a entrega de mais 260 000 computadores.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou hoje o encerramento das escolas de todos os níveis de ensino durante 15 dias para tentar travar os contágios pelo novo coronavírus.

A pandemia de COVID-19 provocou, pelo menos, 2 075 698 mortes, resultantes de mais de 96,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9686 pessoas em 595 149 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.