Combater o ódio e a violência online

Parceria internacional disponibiliza acompanhamento jurídico e inclui um kit para a comunidade educativa. A tolerância e o respeito pela diferença precisam de alicerces firmes.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Prevenir o ódio e a violência online de forma mais eficaz é o motor que faz girar a parceria estabelecida entre o Cyberbullying.pt, iniciativa portuguesa que surgiu para sensibilizar e combater o cyberbullying, e a Respect Zone, organização não governamental francesa que luta contra a ciberviolência. As duas estruturas decidiram trabalhar em conjunto por ocasião da segunda edição da Global StopCyberbullying Telesummit, realizada virtualmente a partir de Portugal.

A parceria prevê a criação de uma rede de apoio jurídico em Portugal que, em breve, ajudará vítimas a defenderem o seu direito à integridade e dignidade digital. O acesso às ferramentas criadas pela Respect Zone também entra neste trabalho conjunto. Ou seja, cidadãos e organizações podem adotar a Carta Para o Respeito Digital e sinalizar a sua adesão, exibindo o logo da Respect Zone nos seus perfis e páginas em redes sociais. Como um primeiro passo para melhorar o clima digital.

Esta junção de vontades com objetivos comuns inclui ainda um kit para a educação e comunicação disponível para a comunidade educativa, um curso online de formação em moderação de conteúdos desenvolvido no âmbito do projeto Scan, iniciativa financiada pela União Europeia, bem como ferramentas de formação específicas para os ensinos Básico, Secundário e Superior.

“A Respect Zone tem uma larga experiência na comunicação não violenta de prevenção do assédio, discriminação, incitamento à violência online e em espaços públicos. Esta parceria terá impacto não apenas na comunidade estudantil, mas em toda a comunidade escolar, municípios e empresas, pois estas são as frentes que têm sido trabalhadas pela Respect Zone”, adianta Tito de Morais, em representação do Cyberbullying.pt, ao EDUCARE.PT.

O combate ao discurso de ódio e ao cyberbullying deve começar o mais cedo possível. “Este combate tem de começar em idades precoces porque os valores para os quais somos educados, tais como a tolerância e o respeito pela diferença, precisam de alicerces firmes que se começam a construir desde tenra idade”. “Só assim conseguiremos construir uma sociedade que se caracterize pela igualdade de oportunidades para todos, independentemente da sua ascendência, sexo, orientação sexual, identidade de género, raça, língua, origem étnica ou nacional, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou deficiência física ou psíquica”, sublinha Tito de Morais.

O Cyberbullying.pt aprofunda, com esta parceria, o seu compromisso internacional de longo prazo na luta contra a ciberviolência. A Respect Zone assegura assim uma presença ativa em cinco países: França, Bélgica, Suíça, Estados Unidos e Portugal. O Cyberbullying.pt é uma iniciativa portuguesa, fundada em 2016, composta por uma página, um site, um livro para pais e educadores, e com uma presença assídua nas redes sociais com os objetivos de informar, sensibiliza e educar para prevenir, intervir, identificar e combater o cyberbullying.

“Numa época em que a sociedade civil europeia enfrenta um aumento da exposição à ciberviolência, em resultado dos confinamentos impostos para combater a pandemia de COVID-19, esta parceria permitirá oferecermos as respostas e as ferramentas necessárias para lhes fazer frente”, refere Tito de Morais. “Esta parceria é também o princípio de uma frente comum associativa para defender os interesses das vítimas de ciberviolência nas instituições europeias, onde se está a discutir o Digital Services Act”, acrescenta Philippe Coen, da Respect Zone, num comunicado enviado aos media.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.