Sindicato marca greve de uma semana nas escolas

O Sindicato de Todos os Professores (S.TO.P.) convocou uma greve para a primeira semana de dezembro de docentes e não docentes, para exigir mais trabalhadores nas escolas e condições de trabalho e segurança durante a pandemia.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

A greve, que começa a 30 de novembro e termina a 04 de dezembro, dirige-se a todos os trabalhadores das escolas, da investigação científica e cultural e da formação profissional, quer trabalhem em estabelecimentos públicos ou privados.

A única exceção à greve será o serviço associado a exames, explica o STOP em comunicado enviado para a Lusa.

As razões da greve prendem-se com as condições de trabalho mas também com a forma como está a ser tratada a pandemia de COVID-19 nos estabelecimentos de ensino.

O sindicato exige que seja desenhado um protocolo igual em todo o país que “torne uniformes as medidas a adotar perante infeções da COVID-19 nas escolas”, com testes para todos os contactos próximos, incluindo os da escola.

Também os procedimentos de prevenção da COVID-19 devem ser uniformizados em todas as escolas, nomeadamente a medição da temperatura corporal a toda a comunidade educativa à entrada dos estabelecimentos de ensino.

O STOP defende ainda que sejam colocados separadores acrílicos entre alunos e alunos/professores dentro das salas de aula.

Por outro lado, o sindicato queixa-se da falta de transparência na informação e pede que sejam conhecidos “os reais números de casos COVID-19” em ambiente escolar: “A sociedade tem direito a saber o que realmente se passa nas nossas escolas e não é com “secretismos” que as escolas ganham confiança das comunidades educativas”.

Outra das exigências é a contratação de todo o pessoal docente e não docente que é necessário para acompanhar devidamente os alunos.

“Também é fundamental a valorização destes profissionais da educação (em particular do pessoal não docente) cada vez mais essenciais para a segurança e bem-estar dos nossos alunos e de todas as comunidades educativas”, acrescenta o STOP.

Para os sindicalistas é ainda necessário um regime de proteção dirigido aos profissionais de educação que fazem parte dos grupos de risco no contexto da pandemia, que estão definidos pela Direção-Geral da Saúde.

O STOP volta a exigir que se reduza o número de alunos por turma, lembrando que tal medida traz vantagens no contexto atual da pandemia, mas permite também uma melhor qualidade de ensino.

“Apesar da narrativa do governo, em muitas escolas não estão garantidas condições de segurança e de qualidade de ensino para os alunos, profissionais de educação e respetivas famílias”, acusa o sindicato. O STOP lembra que ainda existem “milhares de alunos sem professores de várias disciplinas” assim como “faltam milhares de assistentes operacionais nas escolas, estes que são particularmente essenciais para garantir a higiene e segurança neste contexto de pandemia”.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.