COVID-19: Saúde e Educação reunidos a afinar regras nas escolas

As regras e orientações sobre a forma como lidar com a pandemia de COVID-19 nas escolas estão a ser revistas e "afinadas", anunciou hoje a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“Estamos na altura de afinar e clarificar os instrumentos que temos”, disse Graça Freitas, durante a conferência de imprensa destinada a fazer um balanço sobre a pandemia de COVID-19 em Portugal.

“Está neste momento a decorrer uma reunião entre a Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGES) e outros parceiros para analisar a situação”, revelou.

Um mês após o início do ano letivo, da reunião podem surgir novidades, como o “afinamento das orientações, se for caso disso, para se tornarem mais claras”, mas também a decisão de “formar e informar todos os atores” da comunidade educativa e da saúde.

Nos últimos dias, várias notícias têm dado conta de casos de escolas que tomam medidas criticadas pelas famílias, tais como o caso de um aluno de uma escola de Sintra que foi suspenso por ter partilhado o lanche ou de um aluno de Lisboa que não conseguia regressar à escola apenas com o resultado do teste que provava estar curado.

Graça Freitas sublinhou o esforço que as escolas têm feito para “minimizar o absentismo” e o impacto "na vida das crianças".

A diretora-geral lembrou ainda que são aplicadas medidas diferentes consoante as escolas, porque estas têm formas de organização diferenciadas: “A forma com a escola se organiza determina as medidas da saúde”, sublinhou.

Durante a conferência, fez ainda um apelo aos “10 milhões” de portugueses, para que cumpram as regras para minimizar o risco de contágio, tais como manter o distanciamento físico ou o uso de máscara: “Está nas nossas mãos” sublinhou.

Portugal tem hoje 2072 novos casos de infeção com o novo coronavírus, o valor diário mais elevado desde o início da pandemia de COVID-19, segundo o boletim epidemiológico da DGS.

Os valores mais altos desde o início da pandemia tinham sido atingidos em 10 de abril, com a notificação de 1516 novas infeções, número que foi superado em 10 de outubro, quando se atingiram 1646 casos.

A pandemia de COVID-19 já provocou mais de um milhão e oitenta e sete mil mortos e mais de 38,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2117 pessoas dos 91 193 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da DGS.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.