Governo gasta 6,4 milhões de euros para combater COVID nas escolas

A prevenção e contenção da COVID-19 nas escolas do ensino básico e secundário tem um custo previsto de 6,4 milhões de euros para o próximo ano, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Segundo o documento hoje entregue no parlamento, os programas de “prevenção, contenção, mitigação e tratamento” relacionados com a COVID-19 nas escolas deverão representar uma despesa de 6,4 milhões de euros.

A pandemia de COVID-19 obrigou ao encerramento das escolas em março do ano passado e a uma nova forma de estar nas escolas. A juntar às regras de distanciamento e higienização, os funcionários e alunos, à exceção dos do 1.º ciclo, passaram a ser obrigados a usar máscaras dentro dos recintos escolares.

O Ministério da Educação disponibilizou equipamentos de proteção individual, incluindo ‘kits’ com máscaras para todos os alunos, assim como material desinfetante por todas as escolas.

No total, o Governo prevê gastar no próximo ano 6,4 milhões de euros com todo o programa que envolve as escolas e a COVID-19. Este valor corresponde a 0,1% do orçamento total proposto para o ensino básico e secundário para 2021 que ultrapassa os sete mil milhões de euros, ou seja, mais 7,1% do que em 2020.

Nos últimos seis anos tem-se registado um aumento de verbas do OE para a área da educação, sendo a proposta de OE para 2021 a que apresenta o maior aumento.

De acordo com a proposta hoje entregue no parlamento pelo ministro de Estado e das Finanças, João Leão, este é o maior orçamento da Educação da última década.

O documento será votado na generalidade no próximo dia 28.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.