Falta de transporte impede cerca de 80 jovens com deficiência de ir às aulas

Entre 70 e 80 crianças e jovens portadores de deficiência de todo o país estão impedidos de comparecer às aulas por falta de transporte escolar, disse hoje à Lusa o coordenador do Movimento Cidadão Diferente (MDM), Miguel Azevedo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Considerando a situação "insustentável", o movimento alerta que os alunos se "encontrarem em casa desde o encerramento das atividades letivas, em março", devido à COVID-19, "sem quase apoio nenhum" e "muitos deles regrediram" na sua evolução cognitiva.

Em comunicado, o MDM informou ter "feito chegar a sua preocupação na quarta-feira de manhã ao Secretário de Estado Adjunto da Educação, João Costa" e que "não obteve ainda resposta".

Citando as "respostas dos Agrupamentos de Escolas aos pais", o MDM dá conta de queixas de "falta a autorização da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares" e de que "os concursos só foram realizados a semana passada e não sabem quando irão disponibilizar os transportes".

Entre as várias situações apuradas pelo movimento estão, lê-se na nota de imprensa, o Agrupamento de Escolas (AE) da Quinta de Marrocos, em Benfica, e o AE de Queluz, em Belas, (ambos em Lisboa), AE de Pedome, em Pedome (Vila Nova de Famalicão) e o AE de Águas Santas, na Maia.

Idêntica situação vivida no AE Diogo Cão, em Vila Real, segundo Miguel Azevedo, "foi, por agora, ultrapassada, com a câmara a assegurar o transporte dos alunos de e para as aulas".

A Lusa tentou obter uma resposta do Ministério da Educação, mas até ao momento não foi possível.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.