COVID-19: PR diz que em vez de fechar escolas é preciso corrigir o que não funcionar bem

O Presidente da República reconheceu hoje, no Porto, que o regresso às aulas vai "ser difícil" e defendeu, que em vez de encerrar escolas, é preciso corrigir o que não vai funcionar bem no arranque do ano.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

"Vai ser difícil, não vale apenas escamotear", afirmou, salientando que a preparação do ano letivo exigiu um "esforço brutal" para professores, diretores, Ministério da Educação, pais e alunos.

O chefe de Estado considerou que este esforço de adaptação é mais fácil numas escolas do que noutras, nomeadamente para os estabelecimentos de ensino com "largas centenas ou mais de mil alunos".

Para Marcelo Rebelo Sousa, há duas maneiras de encarar a nova realidade: "uma é dizer que é impossível e que o mais fácil é fechar [as escolas]", o que considera "errado, porque ensino não presencial não é ensino, é uma emergência para uns meses".

"A resposta há de ser outra: vamos corrigir aquilo que não vai funcionar bem da primeira vez. Corrigir significa ir melhorando, significa onde houver problemas detetá-los rapidamente e em conjunto, professores, pais, autarquias, Estado darem resposta o mais rápido possível", defendeu, salientando que isso deve ser feito aumentando a capacidade de testagem e de colaboração com as autoridades sanitárias para aumentar a confiança.

E acrescentou: "eu não sou daqueles que iludem as dificuldades, vai ser difícil, vai ser muito difícil, agora vamos tentar enfrentar as dificuldades onde for possível superá-las. Onde não for possível tem de ser ver como é que se corrige".

Ao início da tarde, numa visita à Escola Básica de Gueifães, na Maia, distrito do Porto, Marcelo Rebelo de Sousa tinha já afirmado que o "desafio e missão nacional" é que o ano letivo corra bem porque, se esse não for cumprido com sucesso, não há planos para a economia, saúde e justiça social que funcionem.

O presidente da República visitou hoje duas unidades hoteleiras no Porto, tendo depois jantado com Associados da APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo.

O chefe de Estado, que está a visitar várias regiões do país para escutar os agentes ligados ao turismo, hotelaria e restauração, mostrou-se satisfeito com a eventual abertura de novas linhas de crédito para o turismo, considerando estes incentivos fundamentais.

A pandemia de COVID-19 já provocou pelo menos 929 391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1875 pessoas dos 65 021 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.