Como poupar, como gastar. Educação financeira em tempo de pandemia

Concurso “Todos Contam” distingue os melhores projetos de educação financeira das escolas e ideias de professores. O contexto é desafiante e, por isso, pedem-se novas atividades e novos materiais. As candidaturas estão abertas até 9 de outubro.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

O concurso “Todos Contam” nasceu para promover e incentivar o desenvolvimento de projetos de educação financeira nas escolas nacionais – públicas, privadas, profissionais - e premiar professores que se envolvam nesta missão. A 9.ª edição está anunciada, as candidaturas estão abertas até 9 de outubro, e os vencedores serão revelados durante a Semana da Formação Financeira 2020, dinamizada pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, na semana de 26 a 30 de outubro.

Este ano, há uma circunstância adicional e incontornável, ou seja, a pandemia. O concurso não ignora a situação e admite que o contexto atual, de Covid-19, trouxe e traz desafios acrescidos aos estabelecimentos de ensino e, por conseguinte, aos projetos que podem ser implementados durante o ano letivo. “O tema da educação financeira é especialmente premente neste contexto e as escolas são desafiadas a promover a educação financeira dos seus alunos com novas atividades e novos materiais que possam ser adaptados ao ensino à distância”, sustenta a organização.

Os projetos a apresentar devem cumprir determinados requisitos, segundo o regulamento, sensibilizando para a importância dos conhecimentos financeiros no quotidiano e desenvolvendo capacidades fundamentais para as decisões que implicam gastos. Criar hábitos de poupança, alertar para atitudes adequadas nesta área, aprofundar conhecimentos na utilização dos serviços financeiros digitais, são aspetos que também devem ser tidos em consideração nas candidaturas, que serão avaliadas por um júri constituído para o efeito presidido por Isabel Alçada, escritora e ex-ministra da Educação.

São atribuídos cinco prémios às escolas, ao pré-escolar, a cada ciclo do Ensino Básico e ao Secundário. Ao “Prémio Professor”, podem concorrer docentes de estabelecimentos de educação e ensino que tenham implementado projetos de educação financeira em anos anteriores. Há ainda possibilidade de atribuir um prémio de continuidade aos projetos plurianuais que tenham participado no concurso ao longo de três edições consecutivas.

Cada prémio corresponde a livros e material escolar no valor de 1000 euros. Metade do prémio é entregue após o anúncio oficial dos vencedores, a outra metade depois do final do ano letivo 2020/2021, mediante prova efetiva da implementação dos projetos. Na edição anterior, foram apresentadas 58 candidaturas de cerca de 70 escolas que envolveram mais de 11 mil alunos dos diversos níveis de ensino.

O concurso é uma iniciativa do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros e do Ministério da Educação, através da Direção-Geral da Educação e da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional.

Informações:
https://www.dge.mec.pt/
 

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.