Diretores temem atrasos no programa de distribuição de computadores pelos alunos

Diretores das escolas temem atrasos no arranque do programa Escola Digital que prevê a distribuição de computadores por alunos no próximo ano letivo, que começa dentro de um mês.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“Gostaríamos que no início de setembro fossem distribuídos pelo menos entre os alunos com mais necessidades os meios necessários para que consigam continuar ligados à escola caso seja preciso voltar ao ensino à distância”, disse à Lusa Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

O próximo ano letivo começa entre 14 e 17 de setembro mas volta a ser um ano ameaçado pela pandemia de COVID-19, com as escolas a terem planos preparados para o caso de ser preciso avançar para um modelo de ensino misto ou mesmo 100% à distância, como aconteceu em março.

"Gostaríamos que caso tenhamos de regressar ao ensino à distância, os alunos não fossem novamente prejudicados, mas diria que o tempo começa já a ser escasso", alertou por seu turno Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), em declarações à Lusa. A evolução dos casos de contágio em março levou ao encerramento de todas as escolas e à substituição repentina das aulas presenciais pelo ensino à distância.

O ensino à distância deixou milhares de alunos desligados das escolas, uma vez que não tinham equipamentos ou ligações para acompanhar as aulas.

O primeiro-ministro prometeu então que no início deste novo ano letivo estaria “assegurada a universalidade do acesso em plataforma digital, rede e equipamento para todos os alunos do ensino básico e secundário”.

Só nas escolas públicas, há cerca de 1,2 milhões os estudantes inscritos.

Em meados de julho, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou uma verba de 400 milhões de euros para o programa Escola Digital que prevê, entre outras medidas, a distribuição de equipamentos por alunos e docentes.

“Para já não temos qualquer novidade sobre a Escola Digital, mas espero que haja, entretanto. O que sabemos é que este tipo de concursos é muito complicado, porque envolve muito dinheiro”, afirmou Filinto Lima, também diretor do Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, em declarações à Lusa.

A ideia foi corroborada por Manuel Pereira que lembrou que é preciso encontrar empresas com capacidade para disponibilizar muitos equipamentos: "São concursos muito morosos e complicados", concluiu.

A Lusa questionou o gabinete do Ministério da Educação que explicou que o processo está a correr, mas que não existem ainda novidades.

“Gostava que os lares dos alunos, que estão identificados pela escolas, fossem dotados de computadores”, afirmou Filinto Lima.

Para este representante dos diretores, a atribuição de computadores deve ser feita à semelhança do que já acontece com a distribuição dos manuais escolares: É gratuito, mas a título de empréstimo.

A Escola Digital prevê a aquisição de computadores, conectividades e serviços para dotar as escolas públicas de meios necessários que permitam a alunos e professores aceder e utilizar recursos didáticos e educativos digitais.

As medidas serão implementadas em diferentes fases, sendo que a primeira é precisamente a aquisição de computadores, segundo explicou o ministro há cerca de um mês.

Não sendo possível distribuir simultaneamente a todos, a prioridade será dada aos alunos abrangidos pela ação social, até se conseguir chegar à universalidade da medida. O programa prevê também um plano para capacitação digital dos docentes. A ideia de aumentar a conectividade e acesso das escolas à internet e dotá-las de recursos que promovam a integração transversal das tecnologias nas diferentes áreas curriculares estava já prevista no Programa do Governo.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.