Governo vai adquirir novos manuais escolares para distribuir no próximo ano

O ministro da Educação disse hoje que vão ser adquiridos novos manuais escolares para distribuir aos alunos no início do próximo ano letivo, na sequência da decisão de suspender a devolução dos livros.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“No próximo ano letivo vamos ter de fornecer a todas as famílias os manuais gratuitos sem a tal reutilização, pelo menos em tempo útil”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues durante audição na comissão parlamentar de Educação, Ciência, Juventude e Desporto.

No início de julho, o parlamento aprovou uma proposta do CDS-PP de alteração ao Orçamento do Estado Suplementar, que previa o fim da devolução dos manuais escolares, com a justificação de que os alunos vão precisar desses materiais para recuperar aprendizagens.

Isto significa que todos os alunos poderiam manter os livros utilizados durante o último ano letivo, que de outra forma seriam devolvidos às escolas e redistribuídos por novos alunos.

Na altura, o Governo optou por acompanhar a decisão da Assembleia da República, apesar de o documento ainda não ter sido promulgado pelo Presidente da República, mas ainda não se sabia se seriam ou não adquiridos novos manuais.

“As coisas têm de ser exequíveis para quem tem de governar e tem de fazer acontecer as coisas”, disse o ministro, justificando a aquisição de novos manuais mesmo que a lei ainda não tenha entrado em vigor.

O governante acrescentou ainda que, além da aquisição dos livros, o Governo vai também incrementar a produção de novos recursos digitais e lançar em 10 escolas um projeto para a digitalização e desmaterialização dos manuais escolares.

Este projeto-piloto é paralelo ao plano da Escola Digital, no âmbito do qual vão ser investidos 400 milhões de euros para lançamento de concursos que vão permitir a compra de computadores e garantir conectividade, e a capacitação e formação de docentes.

Durante a audição, Tiago Brandão Rodrigues confirmou a intenção do Governo em manter, no próximo ano, o programa #EstudoEmCasa, que permitiu transmitir diariamente aulas do ensino básico na RTP Memória.

“Efetivamente, existem contactos com a RTP e oportunamente daremos mais informações relativamente ao trabalho que está a ser construído e que, obviamente, se quer diferente daquilo que aconteceu este ano”, afirmou

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.