Exames: Diretores defendem que rankings devem ser “confinados ao seu lugar relativo”

A Associação Nacional de Diretores defendeu hoje que os ‘rankings’ devem ser “confinados ao seu lugar relativo”, sublinhando que a avaliação das escolas não deve ser feita apenas através das notas nos exames nacionais.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

No dia em que voltam a ser divulgadas listas e análises sobre os resultados académicos dos alunos e em que as escolas voltam a ser ordenadas tendo em conta médias nos exames e taxas de sucesso académico, os diretores escolares criticam que a avaliação das escolas se resuma a olhar para as notas no final do ano.

“Cada vez mais devemos confinar os ‘rankings’ ao seu lugar relativo”, afirmou o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Agrupadas (ANDAEP), Filinto Lima, em declarações à Lusa.

Para o representante dos diretores o ‘ranking’ que ordena as escolas tendo em conta apenas as classificações dos seus alunos nos exames nacionais “não é um ‘ranking’ que avalia as escolas”.

Filinto Lima considerou que existem outros instrumentos que conseguem avaliar melhor o trabalho realizado nas escolas, como é o caso dos “Percursos Diretos de Sucesso”, um parâmetro criado pelo Ministério da Educação também com base nas notas dos alunos.

Os percursos diretos de sucesso mostram os alunos que conseguem terminar um ciclo de ensino – o 3.º ciclo ou o secundário – sem nunca reprovar e que têm nota positiva nos exames nacionais.

Além disso, a Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) disponibiliza uma ferramenta em que compara o percurso dos alunos da uma determinada escola com todos os estudantes do país que, anteriormente, tinham um desempenho escolar semelhante.

Por exemplo, para perceber como foi o desempenho dos alunos que terminam o secundário numa escola, a DGEEC compara-os com todos os alunos do país que, três anos antes, tiveram resultados semelhantes nas provas nacionais do 9.º ano. Através desta análise percebe-se se a escola conseguiu fazer um trabalho melhor do que era espetável.

Nestes ‘ranking’ dos percursos diretos de sucesso, as escolas públicas acabam por se destacar, havendo mais casos de superação, tal como noticiado hoje pela Lusa, que fez várias análises tendo em conta os dados disponibilizados pelo ME.

Filinto Lima lembrou ainda outra ferramenta: a Avaliação Externa das Escolas, que se realiza de cinco em cinco anos e que conta com várias formas de análise, desde entrevistas a inquéritos, que permitem uma “avaliação justa”.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.