COVID-19: Manter, suspender ou adiar provas e exames nacionais?

O Ministério da Educação ainda não deu orientações sobre as avaliações externas. Suspensão das provas de aferição e das provas finais do 9.º ano não causam apreensão. Os exames do Secundário, de acesso ao Ensino Superior, são o problema maior, a questão mais complexa.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

Está tudo em aberto e ainda não há qualquer indicação da tutela sobre o que vai acontecer na avaliação externa e se as provas e os exames nacionais, deste ano letivo, se realizarão nas datas previstas no calendário escolar. As respostas deverão ser dadas pelo Ministério da Educação (ME) a 9 de abril, depois da reunião do Conselho de Ministros marcada para analisar e avaliar as medidas e situações excecionais decretadas pelo estado de emergência, que se vive no país, devido à pandemia da COVID-19.

Do ministério, sobre as provas e exames agendados, apenas o secretário de Estado da Educação, João Costa, se pronunciou para dizer apenas que “antecipar todos esses cenários, seria imprudente”. Há, no entanto, flexibilidade por parte dos diretores escolares. Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), diz ao EDUCARE.PT que as provas de aferição, marcadas para arrancar no início de maio para os alunos do 2.º ano do 1.º Ciclo do Ensino Básico, “não fazem sentido nesta altura, não vale a pena perder tempo com elas”.

As provas do 9.º ano, de Português e Matemática, agendadas para junho, poderão passar por uma solução administrativa, segundo o professor e dirigente escolar. Quanto aos exames do Secundário, Manuel Pereira defende que é importante “que a igualdade e a equidade dos alunos sejam garantidas, mesmo que os exames se prolonguem por tempo fora do comum”. E, neste ponto, sublinha, “as universidades deviam dar uma ajuda”.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores e Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), não quer dar palpites. A 9 de abril há Conselho de Ministros e, nessa altura, o Governo terá dados mais atualizados e “dará indicações mais precisas”, refere ao EDUCARE.PT. “Não quero desprezar nenhuma prova, mas a verdade é que se suspenderem não virá mal ao mundo”, disse à Lusa. O professor e dirigente escolar realça a necessidade de “salvaguardar os exames essenciais, que são os de acesso ao Ensino Superior”, não excluindo a hipótese desses exames serem realizados em setembro.

Regime excecional ou novas datas
A Federação Nacional da Educação (FNE) concorda com os cenários que têm sido avançados pelos diretores escolares. Ou seja, não se realizarem nem as provas de aferição, nem os exames de 9.º ano, e os exames do 11.º e 12.º anos adiados para setembro, “pese embora com consequências para um deslizamento da data de início do próximo ano letivo ou do acesso ao Ensino Superior”, sustenta, em comunicado. “Entende-se que, no final do ano letivo, e em termos de avaliação final, deve ser determinada uma solução que tenha em linha de conta esta diversidade de situações, na certeza de que terão de ser adotadas medidas excecionais que o contexto excecional que vivemos exige”, realça.

Segundo a FNE, mesmo no Ensino Superior, a eventual introdução repentina de modalidades de avaliação diferentes das previstas, “deveria merecer um suporte legal estabelecido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior que confortasse as alterações que tiverem de ser adotadas casuisticamente”.

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) está em sintonia, também admite a não realização das provas de aferição do 1.º e 2.º ciclos, bem como as provas do 3.º Ciclo. Na sua opinião, a avaliação final deve resultar da avaliação interna. Os exames nacionais do Secundário são uma questão bem mais complexa, em seu entender. Um novo calendário para esses testes do Secundário ou um regime excecional de acesso ao Ensino Superior são duas possibilidades que a organização sindical coloca em cima da mesa.

Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF, em entrevista publicada no site da federação, partilha o que pensa. “Em relação às provas de aferição e de 9.º ano, neste estranho contexto, não têm qualquer sentido. Já em relação aos exames do Secundário, urge decidir como será o acesso ao Ensino Superior: ou criar um regime excecional face a uma situação de exceção, dando às instituições competência para selecionar, decisão que, tomada agora, também apresenta riscos, até pela mudança de regras no final do jogo, ou, havendo exames, recalendarizando a sua realização”, refere. No limite, esses exames, refere, poderão ser realizados em setembro ou outubro, o que “implicaria vários ajustamentos”.
 

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
EXAMES SEM SENTIDO
delquinha
No período que estamos a viver, os exames não fazem qualquer sentido. 9º ANO???!! 12º ANO??!!! AFERIÇÃO???!! Neste momento para quê??? É isso que está a fazer falta?!! EU FIZ O MEU 1º Ciclo (antiga primária), 9º ano (antigo 5º dos Liceus) e 12º ano. No 5º ano havia exames mas, devido ao 25 abril, nesse ano ficou tudo dispensado dos exames. NÃO FIZ EXAME do 12º.. AS NOTAS QUE OBTIVE DERAM-ME ENTRADA PARA A FACULDADE DE LETRAS, PARA O CURSO SUPERIOR QUE ESCOLHI. Se já fizemos assim porque não voltamos a fazer agora??!! Ah, já sei: Os exames dão muito dinheiro a ganhar a muitos. Olhem, os que ganham dinheiro à custa dos exames, que venham dar aulas a sério. Há muitos profs em falta. Se tiver que haver exames, que haja apenas para os que querem ir para o ensino superior e, neste caso, que seja o estabelecimento de ensino superior a fazer as provas e, dadas as circunstâncias, poderão fazê-las em outubro, por ex. A escolaridade obrigatória é o 12º. Quem não quer seguir, que fique apenas com o diploma de conclusão de estudos. No mundo do trabalho terá de prestar provas do que aprendeu. Não percam tempo com coisas que não contribuem para resolver o problema que estamos a enfrentar.
05-04-2020
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.