Greve de professores durante Carnaval não se destina a todas as escolas

A greve de professores nos dias 24 e 26 de fevereiro só vai incidir sobre as escolas em que os docentes foram convocados para serviços durante a interrupção de Carnaval, esclareceu hoje a Federação Nacional de Professores (Fenprof).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“A entrega de pré-avisos de greve para os dias de interrupção letiva corresponde ao pedido de professores que, tendo aderido à greve do ‘sobretrabalho’ (…) viram os respetivos diretores, num ato de prepotência, retaliarem com a ameaça e, em alguns casos, marcação de serviço para os dias 24 e 26”, lê-se no comunicado enviado hoje às redações.

Esta ação é uma das várias formas de protesto definidas no projeto de resolução da Fenprof, apresentado e aprovado na quarta-feira durante o plenário nacional de professores e educadores, que juntou em Lisboa mais de 400 docentes.

No projeto de resolução, a estrutura sindical anuncia a entrega de “pré-avisos de greve a toda a atividade que, nas escolas, venha a ser marcada para os dias 24 e 26 de fevereiro”, à semelhança daquilo que já tinha feito durante as férias de Natal deste ano letivo, e de Carnaval e Páscoa do ano letivo anterior.

Segundo o comunicado, esta forma de protesto serve apenas para salvaguardar os professores que sejam convocados para trabalhar durante a interrupção letiva de Carnaval, não interferindo com a vida dos alunos, que não têm aulas durante estes dias.

Ao longo deste ano letivo, a Fenprof vai prolongar a greve às horas extraordinárias e promover protestos junto do Governo, nas localidades onde se realizem as próximas reuniões do conselho de ministros e concentrações regionais junto às delegações da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares.

Durante o plenário nacional de quarta-feira, o secretário-geral da federação, Mário Nogueira, admitiu que o recurso à greve e a realização de uma grande manifestação nacional no terceiro período letivo será inevitável, caso a tutela continue a não ouvir os sindicatos.

Em comunicado, a Fenprof volta a reforçar a necessidade de “relançar processos negociais bloqueados pelo Governo”, depois de ter sublinhado em plenário que à frente da Educação deve estar alguém conhecedor dos problemas do setor e “capaz de dialogar” com os professores, apelando para a substituição do ministro da tutela, Tiago Brandão Rodrigues.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.