Fenprof pede conciliação em negociação do contrato coletivo de trabalho

A Fenprof vai pedir um processo de conciliação com a Confederação Nacional de Professores (CNEF) sobre o novo Contrato Coletivo de Trabalho dos professores do ensino privado, depois de dois anos de negociação com os patrões.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir

“A Fenprof ao longo de todo este processo manteve sempre a sua disponibilidade para negociar, demonstrando vontade de chegar a um acordo com a CNEF, porém, a associação patronal não respondeu da mesma forma”, diz a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) em comunicado divulgado hoje.

Em causa estão as negociações entre a federação sindical e a CNEF, iniciadas em 2017 e em curso até agora, para o novo Contrato Coletivo de Trabalho para os professores dos Ensinos Particular e Cooperativo, Ensino Artístico e Especializado e Ensino Profissional.

Segundo a federação, os patrões continuam a insistir nas condições previstas na proposta original, apresentada no início do processo negocial e que os docentes consideraram “violadoras dos seus direitos e das suas condições de trabalho”, nomeadamente no que respeita aos salários, horários e carreira.

“Para a Fenprof não há docentes de primeira e de segunda categoria, pelo que não é admissível tal discriminação”, lê-se no comunicado, em que o sindicato alerta também para a possibilidade de a falta de professores chegar às escolas privadas, caso não se verifique uma melhoria das condições de trabalho dos docentes.

Os professores afirmam que a CNEF não se tem mostrado disponível para chegar a um entendimento e, por isso, já não há “condições para prosseguir” com as negociações diretas. O processo de conciliação pedido pela Fenprof será mediado pelo Ministério do Trabalho, da Segurança Social e da Solidariedade.

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.