CDS quer ouvir ministro da Educação sobre plano de não retenção de alunos no básico

O CDS-PP pediu ontem a audição, na Assembleia da República, do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, sobre o plano de não retenção de alunos no ensino básico anunciado pelo Governo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
No requerimento à comissão de Educação, os centristas recordam que, no seu programa, o executivo inscreveu o compromisso de “criar um plano de não retenção no ensino básico, trabalhando de forma intensiva e diferenciada com os alunos que revelam mais dificuldades".

A posição do Governo, lê-se no pedido do CDS, revelou-se “ambígua” e levou a comunicação social “a noticiar que se pretende acabar com as retenções de alunos até ao 9.º ano de escolaridade”.

Regista, igualmente, “declarações” do ministro que “associam esta medida a uma orientação de poupança de custos, da ordem dos 250 milhões de euros por ano”.

A retenção “é um instrumento dissuasor, de fim de linha, que só deve ter lugar quando todas as estratégias e meios falham” e o tema tem de ser esclarecido dado que “é de importância extrema, pelas implicações profundas que tem no sistema educativo e no percurso escolar dos alunos”, lê-se ainda no texto apresentado à comissão que hoje tomou posse.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.